Desde o surgimento do Bitcoin, em 2009, as criptomoedas vêm ganhando cada vez mais importância no mundo todo. Atualmente, existem mais de cinco mil criptomoedas em circulação, e, apesar de a maioria das pessoas já ter ouvido falar delas, são poucos os que realmente entendem seu funcionamento e risco, e menos ainda os que possuem conhecimento suficiente para se arriscar a investir nelas. 

Esta desinformação não surpreende, tendo em vista que entender sobre criptomoedas não é uma tarefa simples, já que envolve uma tecnologia inovadora e conceitos modernos desconhecidos por muitos. Portanto, aprofundar-se sobre o assunto exige um conhecimento prévio básico sobre assuntos e jargões específicos da área. 

O grande desafio é que muitos materiais explicativos sobre o assunto já começam assumindo que o leitor possua conhecimentos avançados sobre o linguajar específico da área, e tentam explicar conceitos básicos relativamente simples com palavras complicadas e desconhecidas por iniciantes, tais como “rede peer-to-peer”, “consenso distribuído”, “market cap”, entre outras. 

Tendo isto em vista, preparamos um conteúdo especial para você, explicando de maneira simplificada e com linguagem usual o que são criptomoedas e seus principais exemplos. Entenda claramente, de uma vez só, tudo o que há de principal a ser conhecido sobre o assunto. 

Criptomoeda para quem não entende do assunto

Veja uma definição dada de maneira simplificada, para que qualquer pessoa comum alheia ao mundo financeiro digital possa entender. Criptomoedas: o que é?

Criptomoeda é uma forma de dinheiro que, diferentemente do dólar, euro ou real, não existe de forma física – apenas digital. Ela não é emitida por bancos nem controlada por governos, e seu valor é determinado apenas pela oferta e demanda do mercado. Pode ser utilizada para pagamentos de compras digitais e até físicas – existem diversos estabelecimentos, como restaurantes e cafés, que oferecem o Bitcoin como forma de pagamento pelos seus produtos.

A partir desta definição básica, podemos partir para o estudo de algumas de suas características principais, que a tornam tão especial e inovadora.

Descentralizada

É provável que, buscando o que é uma criptomoeda, você se depare com a palavra “descentralizada”. Dizer que criptomoedas são moedas digitais descentralizadas significa dizer que não há um órgão ou governo responsável por controlar sua emissão e circulação, pois este papel cabe aos próprios usuários.

Se pensarmos em uma moeda como o real, é o Conselho Monetário Nacional quem autoriza sua emissão e, junto ao Banco Central, gerencia sua circulação, com o objetivo de fornecer uma quantidade adequada de papel-moeda à população. A quantidade disponível de dinheiro vivo em circulação deve ser suficiente para atender às necessidades dos consumidores e das empresas, além de estar de acordo com as políticas econômicas do governo para o país. 

Blockchain

Bitcoin, Ethereum e Litecoin, assim como todas as outras criptomoedas, são criadas em uma rede blockchain. Esta tecnologia inovadora é formada por códigos digitais que contêm conjuntos de informação, e estes conjuntos formam blocos interligados de dados. 

É através da blockchain que é possível enviar e receber informações relacionadas às transações feitas com criptomoedas. Assim, todos os registros de movimentações de moedas digitais são gravados nestas redes blockchain. Por isso, sua importância é extrema.

Sistema de pagamentos

Criptomoedas são também sistemas de pagamentos

Com elas, o usuário pode pagar contas, serviços e produtos, além de receber pagamentos. 

A grande vantagem é que estas transações podem ser feitas entre quaisquer países, já que se tratam de moedas digitais que não precisam ser convertidas para a moeda local de cada nação. 

Um indivíduo no Brasil que deseja adquirir um produto de US$ 500 nos EUA precisa primeiro converter a quantidade equivalente de reais para dólares. Supondo que a taxa de câmbio entre as moedas seja de R$ 2,00, o consumidor irá pagar R$ 1 mil para um produto de US$ 500.

Caso o valor do produto seja em criptomoedas, não será necessário fazer a conversão, já que o consumidor e o vendedor fazem uso da mesma moeda. Supondo que o produto custe 20 criptomoedas, o consumidor irá pagar 20 criptomoedas.

Desta maneira, a vida de consumidores e comerciantes ao redor do mundo é facilitada e cria-se uma forma de pagamento universal. Atualmente, no entanto, este método ainda não é amplamente aceito. 

Exemplos de criptomoedas

Atualmente, existem mais de cinco mil criptomoedas, e este número continua crescendo. O precursor de todo este movimento foi o Bitcoin, criado em 2008 por Satoshi Nakamoto, que vem ganhando aceitação e adeptos no mundo inteiro desde então.

A moeda ganhou tanta popularidade e foi tão buscada por investidores que seu valor foi às alturas: 1 Bitcoin, atualmente, equivale a, mais ou menos, R$ 300 mil. 

Outras criptomoedas populares são o Ethereum e o Litecoin. O Ethereum surgiu em 2015 e apresenta algumas características inovadoras em relação ao Bitcoin. Um exemplo é a possibilidade de utilizar o sistema da criptomoeda para armazenar contratos e registros. 

Já o Litecoin foi criado utilizando um novo algoritmo, com o objetivo de aumentar a velocidade das transações.

Outros exemplos são o Ripple, o Theter, o EOS e o Bitcoin Cash. Todas estas criptomoedas possuem a mesma definição básica aqui apresentada, porém contam com algumas particularidades que as tornam únicas e mais adequadas a cada tipo de perfil. 

Como adquirir criptomoedas

Agora que já sabemos o que é criptomoeda, o próximo passo é fazer o melhor uso dela. Em se tratando de como comprar Bitcoin ou outras criptomoedas, basta abrir uma conta em uma plataforma de moedas digitais, como a BitcoinTrade, fazer seu login e começar!

Vale lembrar que criptomoedas são ativos voláteis e de alto risco. Portanto, fique atento a promessas de ganhos fáceis e rápidos, estude suas características e seu funcionamento e esteja preparado para correr riscos. 

Para saber mais sobre a criptomoeda mais popular do mundo, leia nosso artigo sobre o que é Bitcoin e saiba como investir em Bitcoin hoje.

Redator | BitcoinTrade

Breno tem mais de 12 anos de experiência com Marketing Digital. Já passou por grandes varejistas tradicionais e em 2017 se apaixonou pelas criptomoedas. Hoje é responsável pelas estratégias de comunicação e aquisição de novos clientes na BitcoinTrade.