Você tomou coragem, finalmente fez o seu primeiro aporte em criptomoedas e seguindo a indicação de alguns especialistas, tomou a decisão de transferir seu suado dinheiro para uma carteira própria. Eis que, na hora de fazer a operação (digamos que você tenha comprado 500 reais em Ethereum), você se depara com uma taxa de transferência de mais de 200 reais.

Como assim?

“200 reais de taxa para transferir 500 reais? Não é justo, não faz sentido! Isso não está certo!”

Sim, por mais contra-intuitivo que possa parecer, está certíssimo! Vou tentar explicar os motivos disso acontecer e como você pode tentar proteger o seu capital para não ser tão diluído pelas taxas.

Em primeiro lugar, é preciso dizer que as taxas de rede (também chamadas de taxas de transferência ou taxas dos mineradores) são, como o nome explica, o valor cobrado pelos mineradores para validar essa transferência. Essa é a forma básica de como funciona uma Blockchain. Centenas de milhares de computadores (os mineradores) ao redor do mundo estão constantemente disputando pela possibilidade de validar uma transação.

Essa validação consiste em verificar se a carteira que está enviando a moeda tem de fato aquele saldo disponível, se essa transferência já foi concluída antes (evitando assim o famoso “Gasto Duplo”), se a carteira de destino é válida… Depois de feita a verificação, a rede “aprova” a transferência e como forma de recompensa, cobra uma taxa.

O que isso quer dizer?

Em primeiro lugar, quer dizer que as taxas de transferência não vão para as corretoras. Essa não é a forma como a corretora cobra seus clientes e não é (ou não deveria ser) uma fonte de receita. Na BitcoinTrade por exemplo, nossa receita vem das taxas de compra e venda (0,25% e 0,50%, para ordens Limitada e à Mercado, respectivamente) e das taxas de saque em Reais, onde cobramos 0,99% do valor sacado.

Em seguida, é preciso entender que as taxas de transferência são dinâmicas e variam de acordo com a sobrecarga da rede. Como sabemos, as criptomoedas estão em alta e isso está fazendo com que as redes estejam, na maioria do tempo, bem sobrecarregadas.

A imensa quantidade de novos projetos DeFi, por mais sensacionais que sejam, do ponto de vista da disrupção em relação às finanças tradicionais, também geram esse efeito negativo na rede do Ethereum, pois a grande maioria desses projetos são baseados na blockchain dessa moeda.

E o que você deve fazer nesse caso?

Existem algumas soluções diferentes. Cada uma terá vantagens e desvantagens e você poderá avaliar no seu caso específico qual parece fazer mais sentido. A primeira delas é: não faça transferências externas de valores muito pequenos. No exemplo acima, uma taxa de 200 reais para uma transferência de 500 reais representa um custo de 40%. Se a transferência fosse de 10 mil reais, por exemplo, esses 200 reais representariam apenas 2%, um número muito mais aceitável.

Então se você costuma fazer transferências todos os dias, talvez uma boa solução seja juntar um valor maior e fazer grandes transferências, 1 vez a cada 10 dias, por exemplo.

Outra solução é usar alguma outra criptomoeda para realizar essa transferência. A XRP por exemplo, além de ser extremamete rápida, não cobra taxas de transferência. Nesse caso, você teria que vender o ETH, comprar XRP e então transferir. Se o destino final for uma corretora nos EUA por exemplo, você poderia usar os XRP para trocar por ETH.

Se o destino final for uma carteira externa, essa solução não se aplica, pois você seria “obrigado” a ficar comprado em XRP e não em ETH que foi a moeda escolhida no exemplo.

Transferências internas: taxa zero!

Isso mesmo! Na BitcoinTrade, se você fizer uma transferência para outra carteira da corretora, não será cobrada nenhuma taxa. Nós possibilitamos isso pois a transação acontece internamente no nosso sistema, sem ser necessário pagar pela recompensa de mineradores. Isso quer dizer que se você precisa pagar um amigo, por exemplo, que também tem conta na BitcoinTrade, não será cobrada nenhuma taxa nessa transferência! Por isso, se os seus amigos ainda não abriram conta com a gente, pede para eles abrirem e assim você economiza alguns satoshis!

Ainda está com dúvidas?

Não se preocupe! Se você ainda tiver dúvidas, nos avise! Fale com a gente pelas nossas redes sociais ou pelos nossos canais de suporte e teremos o maior prazer em te ajudar! As criptomoedas são uma revolução super recente, e é super normal termos muitas dúvidas em relação ao funcionamento e às melhores práticas!

Redator | BitcoinTrade

Breno tem mais de 12 anos de experiência com Marketing Digital. Já passou por grandes varejistas tradicionais e em 2017 se apaixonou pelas criptomoedas. Hoje é responsável pelas estratégias de comunicação e aquisição de novos clientes na BitcoinTrade.