Se você acompanha nossos artigos, ficou sabendo da listagem da criptomoeda Kusama (KSM) na BitcoinTrade em novembro. Após acumular ganhos de 352% no ano até 24/nov, este projeto inovador torna a fazer barulho com os leilões de suas redes paralelas, conhecidas como parachains.

Calma, se você ainda não sabe o que é Kusama (KSM), este link explica no detalhe para que serve esta criptomoeda, e como se diferencia de Polkadot (DOT). Nosso objetivo é mostrar como anda o desenvolvimento da Kusama, deixando claro suas vantagens e problemas de forma isenta.

Aliás, na BitcoinTrade você pode comprar e vender essas duas criptomoedas de enorme sucesso e crescimento.

Por que o Kusama (KSM) subiu 352% em 2021?

Se você tentou utilizar a rede Ethereum nos últimos meses, provavelmente se deparou com taxas de confirmação que ultrapassam os R$ 200 por transação. Isso ocorre por conta da baixa capacidade de processamento da rede.

Kusama surge como uma alternativa para as aplicações descentralizadas que buscam maior flexibilidade no desenvolvimento, taxas mais baixas, além de integração com diferentes sistemas.

Sem dúvidas o projeto encontra-se em estágio inicial, e isso se reflete no valor de mercado da criptomoeda Kusama (KSM), próximo de USD 3,1 bilhões. Para efeito de comparação, dentre seus concorrentes estão Cosmos (ATOM) com USD 8,5 bilhões, e Algorand (ALGO) com USD 12,3 bilhões.

Por esse motivo, apesar da alta expressiva em 2021, Kusama (KSM) segue com alto potencial de valorização. Seu desenvolvimento está entrando em estágio acelerado, e isso será mostrado a seguir.

Qual problema a Kusama resolve?

Não é possível enviar moedas de Bitcoin para a rede Ethereum, por exemplo. Para isso existem as parachains, redes paralelas que permitem a troca de informação entre diferentes bancos de dados descentralizados, ou blockchains.

Kusama nasceu preparada para resolver essa questão, pois utiliza uma tecnologia de camadas adicionais independentes (sharding), com seus próprios validadores.

Para organizar estas camadas paralelas, Kusama optou por fazer leilões que definem quais os projetos são priorizados.

Como funcionam os leilões?

Os projetos que querem utilizar a rede Kusama competem através de leilão.

Quais os destaques até o momento?

Já tivemos duas rodadas no leilão de parachains da Kusama, e a maioria dos projetos busca integração com outras redes. Outro foco são soluções de escalabilidade, ou seja, o aumento da capacidade de processamento de aplicações descentralizadas.

Alguns exemplos incluem:

Além destes, tivemos a inclusão de um projeto por fora do leilão, alocado por votação de governança: Statemine, uma réplica do Statemint da Polkadot.  Esta parachain adiciona funcionalidades de criar tokens, incluindo os não-fungíveis (NFT), além de transferências de KSM como moeda nativa.

Calma! Ainda não sabe o que é NFT? Acompanhe no detalhe neste outro artigo que  explica como essa novidade está revolucionando o mundo das artes digitais.

Onde acompanhar as novidades da Kusama?

Os desenvolvedores da Kusama disponibilizam informações através da rede social Twitter, além de alguns posts dentro do blog da Polkadot. A comunidade Kusama (oficial) no Discord é bem ativa, e cerca de 500 pessoas participam ativamente.

Para acompanhar os leilões de parachain, a melhor referência é o https://parachains.info, que cobre tanto Kusama, quanto Polkadot.