Criado em 2011, o Litecoin (LTC) é uma das altcoins mais conhecidas. Ele surgiu como uma alternativa mais rápida que o Bitcoin e hoje é uma das principais criptomoedas do mercado. Por isso, muitas pessoas querem saber como minerar Litecoin.

Embora essa não seja a forma mais rápida e simples de conseguir a moeda, você poderá minerar Litecoin com computadores mais simples do que o Bitcoin, usando um ASIC, por exemplo.

Quer saber mais? Siga a leitura!

O que é Litecoin?

Litecoin (LTC) é uma criptomoeda que surgiu em 2011 como uma alternativa ao Bitcoin. Ela também é conhecida como “a prata” e, basicamente, se trata de uma cópia do código do Bitcoin, com algumas mudanças importantes.

Assim como outras criptos, a Litecoin também é descentralizada. Ou seja, não é emitida e nem controlada por nenhum Banco Central, empresa ou governo. Dessa forma, seu preço acaba sendo determinado pelo mercado, especialmente pela lei da oferta e da procura.

Hoje, o Litecoin é a 12º criptomoeda em valor de mercado, de acordo com o ranking da Coin Market Cap.

Como surgiu?

O Litecoin foi criado por Charlie Lee, ex-engenheiro do Google e da exchange norte-americana Coinbase. Lançado em 7 de outubro de 2011, o código fonte do Litecoin nasceu para suprir uma demanda que o Bitcoin teria dificuldades para atender, visando ser mais rápido do que o Bitcoin.

Ao invés de criar algo totalmente novo, Lee incorporou o algoritmo de mineração de outro projeto da época, a Tenebrix. A ideia do ex-funcionário do Google era simplificar o processo do Bitcoin, permitindo mais acesso à criptomoeda, tanto para o uso como para mineração.

As principais críticas de Lee ao Bitcoin eram relacionadas à lentidão para as transferências e seus valores, que tornavam a cripto cara para quem pretendia usá-la rotineiramente como método de transação.

Assim, o Litecoin foi projetado para produzir mais blocos que o Bitcoin e para ter um suprimento máximo mais alto. O que significaria uma nova moeda mais rápida e mais prontamente disponível.

Litecoin x Bitcoin: quais as diferenças?

Por ter sido criado para “corrigir” determinadas questões do Bitcoin, o Litecoin possui algumas diferenças significativas.

Apesar disso, é importante lembrarmos que o Litecoin pode ser considerado um “fork” do Bitcoin, ou seja, uma bifurcação de um projeto, partindo da mesma base, mas fazendo algumas alterações, sem modificar o projeto no qual foi baseado.

É por isso que podemos dizer que o Litecoin possui as mesmas vantagens do Bitcoin, como: segurança de transações, garantia de autenticidade de cada moeda, valorização atrelada à lei de oferta e procura e o funcionamento de ambas as blockchains, que usam o protocolo de Proof of Work – também chamado de prova de trabalho ou PoW – sobre o qual explicaremos melhor no tópico de mineração.

Por ser um fork da Bitcoin, a Litecoin possui os mesmos benefícios que a primeira, contando, inclusive, com o PoW.

Diferenças

O Litecoin foi criado para ser uma espécie de “atualização” do Bitcoin, e conta com algumas diferenças que podem tornar essa moeda mais interessante. Como:

Como Litecoin funciona?

O Litecoin é construído a partir dos mesmos fundamentos do Bitcoin, por isso seu funcionamento é semelhante.

Da mesma maneira que o Bitcoin, também é possível minerar Litecoin – e por meio da mineração, os usuários são remunerados com a cripto.

A grande diferença é que o Litecoin foi projetado para ser usado em transações mais baratas e para ser mais eficiente no uso diário, uma vez que o Bitcoin estava sendo usado mais como reserva de valor de longo prazo.

Desde o seu início, a cripto teve altos e baixos, mas, hoje, é considerada uma altcoin estabelecida, principalmente devido a sua estratégia flexível e rápida na adoção de inovações.

Um exemplo ocorreu em 2017, quando o Litecoin foi pioneiro na adoção do Segregated Witness (SegWit), processo pelo qual o limite do tamanho do bloco em uma blockchain é aumentado ao remover dados de assinatura de transações.

Outra inovação foi a Lightning Network, uma segunda camada adicionada à rede que permite que as transações sejam feitas entre as partes fora da blockchain, solucionando a barreira de escalabilidade do Bitcoin.

Vantagens

Por essas características, o Litecoin possui algumas vantagens interessantes, como:

Como minerar Litecoin?

Para entender como minerar Litecoin é preciso, primeiro, explicar o protocolo por trás do funcionamento da rede da cripto, que é o mesmo do Bitcoin, o PoW.

PoW significa que todas as transações feitas na blockchain são confirmadas por meio da mineração de blocos – que é feita com o poder computacional geral da rede. Os mineradores que conseguem resolver o problema matemático são premiados com Litecoin. Atualmente, a recompensa por encontrar um bloco é de 12,5 LTC.

Embora seja o primeiro protocolo desenvolvido – e por isso tenha seus críticos – esse é um método mais seguro, eficiente e confiável que outras alternativas (como o PoS). Então, ainda que Litecoin e Bitcoin tenham algumas diferenças, ambos compartilham o mesmo PoW e por isso LTC é tão confiável quanto BTC.

Hardwares

Quando o Bitcoin começou, era possível minerá-lo usando CPUs. Com o crescimento da rede, no entanto, isso se tornou impraticável e foi preciso partir cada vez mais para supercomputadores.

O Litecoin é mais acessível nesse ponto, porque permite usar diferentes hardwares na sua mineração. Como:

Processo de mineração

Para saber se minerar Litecoin vale a pena, é fundamental considerar alguns aspectos. O primeiro é em relação aos custos. Levante o preço da eletricidade na sua região e multiplique pela potência do dispositivo que você irá usar.

Depois, considere a velocidade e a força com as quais sua mineradora trabalha para calcular os potenciais ganhos em um mês. Compare este valor médio com o custo para minerar Litecoin e veja se essa é uma ideia que vale a pena.

Se for vantajoso, será preciso passar à próxima etapa: a escolha do software. Sempre procure por um software respeitável, confiável, que priorize a segurança e ofereça boas taxas de velocidade de mineração e hashing, além de suporte ao cliente e transparência. Também é importante que o software tenha atualizações frequentes.

Algumas das considerações mais importantes para saber se vale a pena minerar a Litecoin são os custos, a força da sua mineradora e o software usado.

Pool de mineração

Outra alternativa para quem deseja minerar Litecoin são os pools de mineração, ou seja, diversos mineradores trabalhando juntos para encontrar o hash do bloco.

Assim, há maior poder computacional e mais chances de sair vencedor. O valor da recompensa é dividido entre os mineradores do pool, de maneira proporcional de acordo com o gasto computacional direcionado à rede.

Para escolher um bom pool, é preciso se atentar ao nível de segurança oferecido, a segurança do software usado e as taxas cobradas pela administração (costumam variar entre 1 a 5%).

Existem inúmeros pools de mineração de LTC. Alguns dos mais conhecidos são:

Mineração na nuvem

Outra alternativa para minerar Litecoin é a nuvem. Essa é uma ideia interessante para quem não deseja investir em equipamentos caros, mas quer experimentar como funciona a mineração.

A mineração na nuvem é aquela na qual você paga para uma plataforma de mineração de Litecoin fazer o trabalho para você, sendo necessário apenas ter um computador.

A opção é interessante para mineradores iniciantes, já que não será preciso comprar um hardware. Mas, para ter acesso a essa alternativa será preciso pagar. Quanto mais você investir, maior a quantidade de moedas que poderá receber.

É preciso, contudo, ter bastante cuidado com a escolha da empresa, já que, infelizmente, existem muitos golpistas que aceitam seu dinheiro sem ter, sequer, um equipamento. Por isso, pesquise bastante.

Um dos mais populares em termos de mineração na nuvem de Litecoin é o Hashflare que oferece serviços de mineração na nuvem desde 2014.

Com todas essas dicas, já sabe se, para você, vale a pena minerar Litecoin? Uma possibilidade para ter essa altcoin, é comprá-la em uma exchange que negocie a critpo, como a BitcoinTrade. Acesse o nosso site e crie sua conta!

Redator | BitcoinTrade

Breno tem mais de 12 anos de experiência com Marketing Digital. Já passou por grandes varejistas tradicionais e em 2017 se apaixonou pelas criptomoedas. Hoje é responsável pelas estratégias de comunicação e aquisição de novos clientes na BitcoinTrade.