Vão dizer que você deu sorte quando o Bitcoin ultrapassar sua máxima histórica. No entanto, a jornada até esses US$ 20.000 foi árdua e demorada, e para ser honesto, ainda falta um pouquinho. Embora o resultado das eleições norte-americanas ainda não seja oficial, tudo indica que Joe Biden venceu. Enquanto isso, o prognóstico para uma eventual vacinação em massa segue sombrio. Nesse cenário, o Bitcoin ganha espaço, firmando-se como uma reserva internacional independente. 

Zona do Euro tem deflação, com preços caindo 0,3% ante o mesmo período de 2019. Nos EUA o índice de inflação CPI ficou em 1,6%, abaixo da meta de 2%. Estes indicadores mostram que os esforços de baixar juros e injetar liquidez no mercado não estão estimulando a economia. Sem demanda de consumo e indústria, os investidores aproveitam o momento para comprar ativos reais, incluindo imóveis e ações de empresas.

Dinheiro virou batata quente?

Com o aparente resultado das eleições norte-americanas favorecendo os Democratas de Joe Biden, os investidores já precificam os efeitos de atitudes mais populistas. O partido acena com a isenção parcial da dívida estudantil, além de fortes incentivos para a saúde custeada por impostos.

Tradicionalmente, o ouro e o próprio Título do Tesouro norte-americano seriam o refúgio dos investidores, porém não desta vez. Primeiramente, algumas nações estão sendo obrigadas a vender suas reservas para pagar o custo da máquina, cuja receita foi severamente afetada pela reação à pandemia.

Em seguida, temos os títulos de 5 anos dos EUA pagando abaixo de 0,5% ao ano bruto, enquanto a inflação projetada para 2021 é próxima de 1,3%. Ou seja, os investidores que optarem por este instrumento vão perder poder de compra. O mesmo está acontecendo com as debêntures de grandes empresas.

Nesse cenário, os investidores preferem arriscar em ativos que se beneficiam das baixas taxas de juros e incentivos, dentre eles o setor de petróleo e gás, e industrial. Por conta de seu alto endividamento, a melhora nas condições de financiamento representa uma forte melhora de resultados.

Em suma, os investidores estão fugindo do dólar e buscando proteção em ativos que ainda não atingiram sua máxima histórica. O Bitcoin, roubando parte do mercado do ouro, conseguiu aproveitar o bom momento.

Bitcoin rompe os R$ 100 mil e anima as altcoins, com investidores celebrando o efeito do Paypal, além da entrada dos bilionários Stanley Druckenmiller, e Rick Rieder. Enquanto isso, o fundo de investimento listado Grayscale BTC (GBTC) ultrapassou os $10 bilhões.

Principais criptomoedas, ativos e bolsas mundiais – até 30/nov

Notícias do mundo cripto:

Paypal: CEO Dan Schulman afirmou durante uma conferência de tecnologia que “agora é o momento” para o Bitcoin acelerar sua adoção, beneficiado pela reação à pandemia, além da inclusão financeira.

NY Digital Investments: Levantou $150 milhões em dois novos fundos para investir em criptomoedas, dos quais $100 milhões exclusivamente em BTC.

Bitcoin (BTC): Número de endereços ativos distintos atingiu o pico de 432 mil, um novo recorde ante os 411 mil registrados em Dez/2017, de acordo com dados da GlassNode.

Bitcoin (BTC): CEO da BlackRock, a maior gestora de investimentos do mundo, afirmou que o Bitcoin entrou no radar dos clientes. Larry Fink diz acreditar que o criptoativo possa evoluir para um mercado global.

Ethereum (ETH): Lançou a fase inicial de sua nova rede 2.0, baseada em Prova de Participação, ou Proof of Stake. No momento, não é possível fazer transações por lá, funcionando apenas como um registro.

Ethereum (ETH): Número de endereços com mais de 1 ETH de saldo atingiram nova máxima de 1,17 milhões, alta de 16% ante o mês anterior.

Bitcoin Cash (BCH): Grupo de mineradores se uniu para atacar o fork BCash ABC, minerando blocos vazios e enchendo a rede de micro-transações.

Bitcoin Cash (BCH): Wallet oficial da moeda bitcoin.com agora permite envio de BCH por e-mail ou SMS.

Litecoin (LTC): Dev da implementação MimbleWimble apresentou resultados da rede de testes, com proposta para defesa de ataques denominados como Wagner.

Litecoin (LTC): Fundação Litecoin anunciou que seu cartão de débito VISA agora está disponível para clientes nos EUA.

Ripple (XRP): Expectativa para o AirDrop (bonificação) do token Spark (FLR) em 12/Dez.

Ripple (XRP): Empresa Ripple irá se desfazer de 33% de sua participação na MoneyGram, adquirida em 2019.

EOS (EOS): Block.one, empresa por trás do ICO da EOS, confirmou que irá utilizar suas moedas nas futuras votações da rede.

EOS (EOS): Um dos maiores mercados organizados p2p da Ásia removeu a listagem de EOS.

Além das Criptomoedas

Bolsas pelo mundo

Após resultados das vacinas do Coronavírus apresentarem taxas de sucesso de 90% e 95%, o S&P500 nos EUA encerrou novembro próximo de sua máxima histórica, em alta de 10,7%. Na Inglaterra o FTSE100 encerrou o mês com alta de 12,3%. Já a Alemanha teve seu índice DAX30 subindo 15,1%, cerca de 3% abaixo de seu topo histórico.

Investidores buscaram ações que haviam sofrido muito durante o início da pandemia na expectativa da retomada gradual dos negócios. Nesse cenário, o ouro, no entanto, não conseguiu romper a barreira dos USD 1.950, encerrando em leve queda de 3,4% no mês em dólar.

Quem se deu bem:

Azul (AZUL4) subiu 68,6% seguida por Gol (GOLL4) +50%, corrigindo parte das fortes quedas após sucesso nos testes da vacina;

CVC (CVCB3) teve alta de 48,5%, seguida por Embraer (EMBR3) +34,3% com perspectiva na retomada de viagens e vôos;

Petrobras PN (PETR4) subiu 31,5% após alta de 27% na cotação internacional do petróleo.

Quem se deu mal:

Bilia (BILI-A ST) cedeu 19% após a fabricante européia de autopeças reportar um trimestre fraco;

Alibaba (BABA US) gigante de e-commerce caiu 13,6% após cancelamento da oferta de ações de sua subsidiária Ant Group;

Barrick Gold (GOLD US): Uma das maiores mineradoras de ouro cedeu 13,4% com alta no preço do petróleo elevando custo de exploração.

Fundo Guggenheim pede autorização para investir em BTC

O fundo de investimentos Guggenheim pediu autorização para investir no GBTC ao regulador norte-americano SEC. O Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) é um fundo negociado em bolsa de valores que investe exclusivamente em Bitcoin.

Deste modo, o aporte potencial poderá ser de $500 milhões, ou 10% do valor administrado pelo Guggenheim Macro Opportunities Fund. Em suma, mais um gigante sinalizando confiança na criptomoeda.

Coréia do Sul bane moedas de privacidade

O país asiático, tradicionalmente favorável a inovações tecnológicas, anunciou a proibição da comercialização de moedas de privacidade. A medida terá efeito a partir de 21 de março de 2021.

No entanto, as exchanges na região já se movimentaram para a nova legislação, obrigando os usuários a resgatar ou converter suas moedas. A mudança foi anunciada pela FSC, equivalente à CVM do país.

Deste modo, o movimento na região caminha para a regulação do setor, embora o foco seja a cobrança de impostos, e não a proibição da tecnologia.


Quer ficar por dentro de outras informações sobre moedas digitais? Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades em primeira mão!

Redator | BitcoinTrade

Breno tem mais de 12 anos de experiência com Marketing Digital. Já passou por grandes varejistas tradicionais e em 2017 se apaixonou pelas criptomoedas. Hoje é responsável pelas estratégias de comunicação e aquisição de novos clientes na BitcoinTrade.