Uma das dúvidas mais comuns entre as pessoas que estão começando a descobrir o universo das criptomoedas é sobre a mineração, afinal, existem vários procedimentos e maneiras distintas de realizar esse processo. Uma das dúvidas que sempre aparece é “será que é possível minerar Bitcoin na nuvem? E, se esse procedimento pode ser feito, será que ele é realmente rentável?”

Ficou interessado e quer aprender mais sobre mineração? Continue lendo este artigo!

Minerar Bitcoin na nuvem: como funciona e quais as vantagens e desvantagens?

Entenda agora como minerar Bitcoin na nuvem e, depois vamos te explicar outras formas de mineração de criptomoedas. O processo funciona por meio do aluguel dos serviços realizados por empresas mineradoras. Assim, qualquer pessoa poderá adquirir o direito de minerar sem ter que usar máquinas potentes, eletricidade e softwares específicos para a atividade.

Vantagens e desvantagens

Conhecido como “cloud mining”, o processo de minerar Bitcoin na Nuvem tem a grande vantagem de reduzir os custos associados à mineração. Contudo, é preciso muito cuidado na hora de escolher essas empresas já que, infelizmente, há muitos golpistas que se aproveitam da empolgação de alguns entusiastas do assunto.

Em geral, é importante destacar que, mesmo a mineração na nuvem sendo uma plataforma mais simples e fácil, o processo de minerar continua sendo complicado e é possível que existam algumas quedas na lucratividade a cada duas semanas.

Além disso, a remuneração é considerada baixa para algumas pessoas, então é preciso avaliar o quanto você terá de investir, qual é a probabilidade de retorno e o tempo para conseguir esse dinheiro de volta.

Outra dica importante é evitar os contratos de pré-venda, que são ofertados por algumas empresas. Nesse caso, você pagará adiantado por um serviço que ainda não está ativo e só será iniciado quando houver algum hardware disponível, o que pode levar dias ou meses. Por isso, essa opção é desaconselhável, já que não há como garantir a lucratividade e nem quando a mineração começará.

Como funciona a mineração de Bitcoin e outras altcoins?

Entenda agora como funciona o processo de mineração das criptomoedas.

A mineração de Bitcoin foi desenvolvida como uma maneira de tornar a rede mais sustentável. Ou seja, para que a Blockchain funcione, ela precisa que os computadores fiquem ligados 24 horas por dia, permitindo confirmar e auditar as transações.

Mas, antes de ser possível minerar Bitcoin na nuvem, como as pessoas seriam incentivadas a manterem seus computadores ligados durante todo esse tempo? Recompensá-los com Bitcoin foi a saída encontrada por Satoshi Nakamoto, criador da criptomoeda.

Assim, é por meio da mineração, que novos blocos de transações de Bitcoins são transmitidos e adicionados à rede. Esse processo envolve encontrar uma função matemática compatível com o bloco anterior já transmitido. O nome dado a essa função é “hash” e ela é obtida por meio de cálculos bastante complexos.

Para que a mineração ocorra, é preciso que os mineradores emprestem seu poder computacional para a rede. É o computador que resolverá o problema matemático do hash e, ao fim do processo, você será recompensado com Bitcoins. 

Logo nos primórdios do Bitcoin, em 2009, era possível que qualquer pessoa minerasse a partir de um computador pessoal. Contudo, conforme mais pessoas foram se interessando pela mineração, houve também um aumento da competição e da dificuldade em se resolver o problema matemático. Isso tornou inviável e pouco lucrativa a mineração a partir de um computador pessoal, já que era praticamente impossível competir com equipamentos mais especializados.

Altcoins

As altcoins são todas as criptomoedas alternativas ao Bitcoin. O processo de mineração delas, de uma forma geral, é bem semelhante ao do Bitcoin.

Uma das altcoins mais procuradas atualmente é o Ethereum, considerada a segunda criptomoeda mais valiosa do mundo. A boa notícia é que, para minerá-la, é possível usar um computador com placa de vídeo comum. Mas é importante escolher por placas de vídeo potentes, como Nvidia GTX 1080 ou AMD RX 580 8 gb.

Outra dica é investir em, pelo menos, 3 ou 4 placas de vídeos para garantir uma mineração eficiente. Depois disso, será preciso investir em refrigeração e ainda baixar um software de mineração.

Como minerar Bitcoin na nuvem?

Veja como você deve começar a minerar Bitcoin na nuvem. Fonte: Moeda em Foco.

Quer minerar Bitcoin na nuvem? Veja os passos mais importantes.

Encontre a empresa

O primeiro passo para minerar Bitcoin na nuvem é escolher uma boa empresa. Para isso, pesquise e veja o que os usuários estão falando sobre elas. As principais características que devem ser buscadas são a estabilidade, a segurança e a credibilidade. O site CryptoCompare pode ajudar nesse sentido, pois traz diversas informações sobre criptomoedas de forma geral.

Escolha o pacote

As empresas de mineração na nuvem oferecem diferentes pacotes de serviços, com quantidades de poder de processamento distintos de acordo com os valores. Assim, um plano mais caro costuma ter um poder de processamento maior, o que significa um retorno mais alto e rápido.

Em geral, as empresas ajudam fazendo cálculos baseados no valor de mercado do Bitcoin, na dificuldade de mineração e no poder de processamento que será alugado. Como o valor do Bitcoin oscila bastante, é fundamental sempre conferir esses cálculos, já que um contrato que pode ser lucrativo hoje, talvez não seja no futuro.

Escolha do pool de mineração

Por último, será preciso optar por um pool de mineração em nuvem. É importante pesquisar muito bem o método utilizado antes de escolher o pool. Lembre-se que muitos cobram taxas sobre os ganhos (em geral, em torno de 2%). A melhor dica é aderir a um pool já estabelecido e comprovado.

Após todos esses passos, você já poderá minerar Bitcoin na nuvem e, dentro de algumas semanas, começar a receber suas recompensas.

Quais são as formas de mineração além da mineração na nuvem?

Conheça mais algumas formas de minerar Bitcoins. Fonte: Blockmaster.

Para minerar Bitcoin, existem algumas possibilidades. Cada uma delas, tem seus custos associados, tornando a ideia mais ou menos rentável. Vamos ver algumas opções.

Mineradora

Como dissemos, atualmente é praticamente inviável minerar Bitcoins a partir de um computador comum. Mesmo que ele seja um computador gamer de última geração e com uma super placa de vídeo.

Por isso, com o acirramento da competição pela mineração de Bitcoins, as mineradoras se tornaram opções mais atrativas. Elas são, na verdade, chips ASICS feitos exclusivamente para a mineração de Bitcoin.

Então, quem quiser começar a minerar Bitcoin poderá comprar um Antminer, uma mineradora de Bitcoin vendida pela Bitmain. Seu preço gira em torno dos 700 dólares, sem contar o frete e as tributações.

Além da compra da mineradora, é preciso considerar outros custos associados e necessários para a mineração, principalmente de energia elétrica. Uma Antminer S9i, por exemplo, consome 1310 Watts, ou seja, teria um custo médio superior a R$ 300 de energia todos os meses.

Também será preciso investir em um ambiente climatizado, já que as mineradoras produzem bastante calor – e será necessário, ainda, um isolamento acústico, porque essas máquinas são extremamente barulhentas.

O resultado é que, no fim, a mineração de Bitcoin via mineradoras se torna pouco lucrativo. Já que, além de todos esses custos, você ainda terá de considerar as taxas, como das Exchanges.

Altcoins

Como dissemos, para alguns altcoins, a mineração ainda é um processo interessante e lucrativo, já que é possível realizá-lo sem tantos investimentos (mesmo porque a competição, em alguns casos, ainda é baixa). Mesmo em relação ao Ethereum, que exige um pouco mais de investimento, esse valor ainda tende a ser menor do que a mineração de Bitcoin.

Também existem outras altcoins com processos mais simplificados de mineração. O Monero, por exemplo, pode ser minerado por meio de um script que é executado em um navegador. O Litecoin também é uma criptomoeda com um processo de mineração mais simples e que não necessita de equipamento próprio para mineração, sendo possível usar um computador pessoal no processo.

Pool de Mineração

O pool de mineração é uma alternativa a minerar bitcoin na nuvem e à mineração tradicional. Ao invés de cada minerador realizar esse procedimento por conta própria (e com todos os investimentos que citamos), vários profissionais se unem para fazerem o processo juntos.

Assim, é possível compartilhar conhecimentos e potência, tornando a mineração mais proveitosa. Existem duas modalidades: a pool única, quando os mineradores trabalham em busca de uma só criptomoeda e a multi pool, nas quais é possível desenvolver métodos de pesquisa para mais de uma moeda.

Como você viu, minerar Bitcoin na nuvem é uma possibilidade atualmente, com diversas empresas oferecendo esse serviço. Essa é uma alternativa interessante à mineração tradicional, que se tornou extremamente cara e difícil, sendo impossível usar um computador comum nesse processo.

Gostou de saber mais sobre como minerar Bitcoin na nuvem? Compartilhe nossas dicas com seus amigos nas redes sociais! Aproveite para conhecer a BitcoinTrade, a plataforma mais segura da américa latina para operar Bitcoins e outras criptomoedas!

Conheça a BitcoinTrade