Frequentemente citado em filmes de ficção, o metaverso funciona como um espaço compartilhado por meio da internet. 

Ainda não se sabe ao certo como poderia ser um metaverso fora da ficção, mas suas características básicas abrangem um mundo real e virtual, regidos por uma mesma economia e os usuários podem migrar de um espaço para o outro, usando o mesmo avatar e itens que adquiriram nos outros lugares.

Atualmente as reuniões virtuais, como as de trabalho, permitem que várias pessoas se conectem simultaneamente de diferentes lugares, no entanto, depois elas são desconectadas e aquele momento termina ali. 

Em um metaverso essas pessoas poderiam estar conectadas o tempo inteiro e inclusive juntas no mesmo local, por meio do uso de tecnologias de realidade virtual.

Como as criptomoedas entram nisso?

Em um esquema de múltiplos espaços virtuais, será importante que exista algum meio de registro virtual e compartilhado. Nesse sentido, tecnologias envolvendo o uso de blockchains, os bancos de dados compartilhados, seria o ideal. 

Afinal, atualmente as blockchains já conseguem se interconectar umas às outras através de protocolos de comunicação e se conectam com o mundo real usando os oráculos, comuns em aplicações descentralizadas (DeFi). 

Além disso, o crescimento de tokens não-fungíveis (NFT) podem ajudar usuários a obter um avatar ou itens dentro desses espaços e utilizá-los em outros. As criptomoedas são importantes nessa tecnologia, pois cada espaço pode desenvolver seu próprio token. Projetos como a Decentraland já desenvolveram espaços virtuais que contém suas próprias criptomoedas, e os usuários podem criar várias estruturas virtuais e monetizá-las.

O que o Facebook pretende no Metaverso?

Em junho, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou que trabalhará para que a companhia “dê vida” a um metaverso. Embora isso pareça novo, o Facebook há muito tempo já investe em realidade virtual e aumentada, tecnologia indispensável na construção de espaços virtuais. 

Zuckerberg pretende conectar várias pessoas de uma maneira mais real e, com isso, melhorar as limitações atuais existentes em conferências de trabalho e, até mesmo, desigualdades enfrentadas por conta de problemas geográficos.

Onde é possível explorar o Metaverso hoje?

Atualmente ainda não existe nada concreto que envolve um metaverso, porém é possível entender como seria algo parecido usando principalmente os jogos.

O Fortnite é um dos principais jogos da Epic Games e imita um pouco do que seria um metaverso. O jogo criou uma conexão com o mundo real, onde tornou possível que shows de música acontecessem no jogo.

Além disso, várias marcas já desenvolveram avatares próprios para estarem no jogo e permitir essa interconectividade com o mundo real.

Como investir no Metaverso?

Já existem tokens que estão ligados a projetos com metaverso e é possível obter certos lucros com isso, como o token MANA (Decentraland) e o token AI (Multiverse).

Além disso, dá para investir indiretamente por meio das bigtechs que estão interessadas nesse projeto, como o Facebook e a Microsoft. Recentemente a Epic Games iniciou uma rodada de financiamento de 1 bilhão de dólares para investir em projetos envolvendo metaverso.