Os mercados acionários mantiveram tendência de alta, com o S&P500 dos EUA subindo mais de 41% da mínima atingida em 23 de março. Nem mesmo a queda de 5% no Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, ou o recuo de 18% na Produção Industrial da Alemanha foram suficientes para desanimar os investidores. O FED apontou sua bazuca para os títulos de dívida corporativos, iniciando compras no mercado aberto.

Investidores apostam em novos pacotes de estímulo, além de avanços na pesquisa de uma vacina. O Banco Central Europeu aumentou seu pacote de estímulo, superando 1,5 trilhão de Dólares. Parte do mercado aposta que os 5 trilhões de Dólares na renda fixa vão ser obrigados a migrar para outros ativos, já que a taxa de juros líquida na maioria dos casos está negativa. Neste cenário as criptomoedas tiveram uma queda de 7% em Dólar, com capitalização total de mercado de USD 257 bilhões.

Até onde vai o poder do FED?

De acordo com o site usdebtclock.org, a dívida norte-americana ultrapassa os 26,3 trilhões de Dólares, equivalente a 131% do Produto Interno Bruto (PIB). Caso fosse um país normal, provavelmente as agências de risco já teriam rebaixado sua nota de crédito. No entanto, o Dólar é demandado no mundo todo, já que é moeda de reserva global, além dos juros de dívida pagos por empresas e governos.

O desemprego passa a ser uma questão fundamental, pois a manutenção dos pacotes de estímulo tira incentivos para a população trabalhar. Ao mesmo tempo, a falta de perspectiva faz com que as pessoas poupem mais, aproveitando para reduzir dívidas, sem produzir o impacto esperado pelo governo de estímulo na economia.

Taxas de juros seguem em queda ao redor do mundo, e mesmo o Brasil adentrou num território de juro real negativo. Neste cenário, quem deixar dinheiro em títulos de baixo risco irá perder para a inflação no período.

Mercados de criptomoedas seguem atônitos, seguindo de perto as variações intra-diárias do S&P, após uma tentativa frustrada no início do mês do Bitcoin romper a barreira dos 10.000 Dólares.

Principais criptomoedas, ativos e bolsas mundiais – até 30/Jun

Notícias do mundo cripto:

Wirecard: Fintech de cartões de crédito, e uma das principais ações na bolsa de valores da Alemanha, inflou balanço em USD 3 bilhões 

Telegram: Empresa por trás do ICO acertou pagamento de multa de USD 18,5 milhões para a SEC

Bitmain: Na briga pelo controle da maior fabricante de mineradoras ASICs, Zhan Ketuan faz uma proposta para compra da empresa por USD 4 bilhões

Bitpay: Processadora de pagamentos cripto lançou cartão de débito pré-pago Mastercard para clientes nos EUA

JP Morgan: Banco emitiu relatório afirmando que dificilmente o Bitcoin deixará de existir, porém acredita que seguirá como um ativo meramente especulativo

Bitcoin (BTC):  Mineradora canadense Hut 8 conseguiu aporte de USD 8,3 milhões, prometendo elevar sua capacidade em 20%

Bitcoin (BTC): Falha na sidechain Liquid, da Blockstream, deixou USD 8 milhões nas mãos dos moderadores, que embora de baixo risco, causou desagrado

Ethereum (ETH): Devs avançam com proposta EIP 1559 buscando flexibilizar precificação de taxas em momentos de gargalo na rede

Ethereum (ETH): Transação partido de uma exchange suspeita de pirâmide pagou taxas de USD 2,4 milhões em uma única transferência

Bitcoin Cash (BCH): Lançou plataforma Satoshiwall, onde conteúdo pode ser vendido em troca de moedas BCH ou tokens SLP

Bitcoin Cash (BCH): Token MIST lançando no padrão SLP, permitindo mineração via Proof of Work, visando uma distribuição justa

Litecoin (LTC): Dev David Burkett anuncia que blocos contendo transações Mimblewimble já podem ser anexadas à rede, deixando pronto para testnet em setembro

Litecoin (LTC): Atingiu impressionante marca de 55 milhões de endereços ativos na rede

Ripple (XRP): Conglomerado financeiro japonês SBI Holdings anunciou intenção de lançar fundo de investimento em criptos com 50% em XRP, 30% em BTC e 20% em ETH

Ripple (XRP): Banco Rendimento no Brasil torna-se primeiro cliente do sistema RippleNet Cloud para remessas internacionais

EOS (EOS): Pirâmide de 2019 Plustoken movimentou 26 milhões de moedas EOS, trazendo pressão negativa no preço

EOS (EOS): Outlier Ventures divulgou relatório afirmando que número de desenvolvedores ativos na EOS caiu 86% ante 2019

Além das Criptomoedas

Bolsas pelo mundo

Seguindo a trajetória do mês anterior, as ações do S&P500 nos EUA encerraram junho em alta de 1,8%. Destaque de queda para setores elétrico e energia/petróleo. Na Inglaterra o FTSE100 encerrou o mês com ganhos de 1,5%. Na Alemanha tivemos o DAX30 apresentando alta de 6,2%.

Enquanto não houver sinais de inflação nas maiores economias, a tendência é que o cenário de juros baixo permaneça. Resta saber qual será o tamanho desta segunda onda do Coronavírus, embora os mercados acionários estejam mais focados nos benefícios dos juros baixos para as empresas, que trabalham sempre endividadas.

Quem se deu bem:

Locaweb ON (LWSA3) empresa de tecnologia na internet subiu 65% com aumento de 252% no número de novas lojas na plataforma de e-commerce

Direcional Engenharia ON (DIRR3) emplacou 64% de alta, seguida de perto por Helbor Empreendimentos ON (HBOR3) com 62% de alta após valorização dos terrenos

Oi ON (OIBR3) subiu 60% com expectativas positivas referente ao plano de reestruturação aprovado em assembléia

Quem se deu mal:

Uber Tech (UBER) caiu 14% após perder briga pela compra da Grubhub, além da legislação trabalhista mais dura na Califórnia

Pfizer (PFE) cedeu 14% corrigindo após expectativas exageradas frente a uma potencial vacina da Covid-19

Frontline Ltd (FROo): transportadora marítma de petróleo e derivados caiu 21%, negativamente impactada pela queda nos volumes do setor

Banco Central suspende pagamentos via Whatsapp

Banco Central Brasileiro e CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica – suspenderam o projeto de meios de pagamento do Whatsapp, ameaçando multa diária de R$ 500 mil. A justificativa dada foi para “preservar o ambiente competitivo”.

A autoridade monetária chegou a notificar Visa e Mastercard para suspenderem imediatamente qualquer tipo de serviço de intermediação financeira para a rede social do Facebook.

O Banco Central informa que irá avaliar eventuais riscos para o funcionamento do sistema, alegando potenciais falhas de eficiência e privacidade de dados.

Paypal estuda oferecer compra e venda de Bitcoin

A gigante de pagamentos eletrônicos está analisando permitir compra e venda de criptomoedas através do Paypal e Venmo, de acordo com o site CoinDesk. São 325 milhões de usuários ativos na plataforma.

Pouco tempo atrás o Paypal chegou a cogitar participação na Fundação Libra, do Facebook, mas desistiu por questões regulatórias. Além disto, Paypal é investidor da TRM Labs, startup de controle de risco de criptomoedas.

De qualquer maneira, ainda não foi confirmado pela empresa, embora tenham anunciado vaga para um “engenheiro de blockchain” na Califórnia. Caso se confirme, é certamente uma notícia positiva.


Quer ficar por dentro de outras informações sobre moedas digitais? Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades em primeira mão!