Máxima histórica de USD 42.000 no Bitcoin, algo impensável há alguns meses, aconteceu em 8 de janeiro. A capitalização total de mercado das criptos superava US$ 1 trilhão pela primeira vez na história. No entanto, uma queda de 26% chegou dois dias depois, derrubando a cotação para próximo de USD 30 mil. No entanto, este novo patamar trouxe junto um rally das altcoins, lideradas pelo segmento de Finanças Descentralizadas (DeFi).

Biden discute reduzir o pacote de USD 1,9 trilhão, pressionado pelo Congresso. Este balde de água fria desanimou momentaneamente os investidores de Bitcoin. Até mesmo o diretor de investimentos da Guggenheim Partners, que recentemente solicitou ao agente regulador SEC para ingressar no Bitcoin, apontou para o risco da criptomoeda perder o piso de USD 30 mil, embora tenha mantido sua tese positiva de longo-prazo.

A revolta das sardinhas

Algo impensável ocorreu nos últimos 10 dias do mês. Um grupo de pequenos investidores coordenou uma alta de 1.090% nas ações da Gamestop (GME), listada na bolsa norte-americana. Com isso, seu volume negociado chegou a superar as gigantes Apple e Microsoft.

Pois é, acredite. Estes investidores se deram conta de que alguns fundos de investimento carregavam grandes posições short (apostando na queda) de algumas ações. Foi o suficiente para que milhões de pessoas buscassem estes grupos de pump (alta coordenada), com destaque para o r/WallStreetBets da rede social Reddit.

Empresas sem crescimento de receita, e com baixo volume, viraram alvo destes grupos. Express (EXPR), AMC e BlackBerry (BB) tiveram altas superiores a 200% nos dias seguintes. Isto gerou perdas bilionárias em alguns fundos de investimento, e ao mesmo tempo causou falhas em diversas corretoras voltadas para o público de varejo.

O resultado? A negociação destas ações foi restrita, ou até mesmo banida em alguns casos. Os pequenos investidores, apelidados de sardinhas, haviam vencido os tubarões. O caso foi parar nas mãos de alguns Senadores dos EUA, e um processo já foi aberto para investigar a intervenção das corretoras, que em alguns casos chegou a vender forçadamente as posições dos clientes.

Principais criptomoedas, ativos e bolsas mundiais – até 31/jan

Notícias do mundo cripto:

r/WallStreetBets: Após o sucesso do grupo de pump & dump nas ações, uma versão exclusiva para criptos foi criada r/SatoshiBets, e já ultrapassa 230.000 seguidores

Coinbase: Maior corretora do mundo ficou sem serviço dia 29/Janeiro durante 2 horas, enquanto BTC sofria uma forte alta 

VISA: Informou que irá utilizar criptomoedas para facilitar pagamentos através de uma parceria

Bitcoin (BTC): Mineradores tem receita recorde de USD 1,1 bilhão no mês, maior nível desde dez/2017

Bitcoin (BTC): Elon Musk, homem mais rico do mundo e CEO da Tesla, declarou seu apoio ao Bitcoin

Ethereum (ETH): Exchange descentralizada (DEX) Uniswap bate recorde de volume de USD 30 bilhões no mês.

Ethereum (ETH): Vitalik Buterin fez um longo post sobre as vantagens e provas matemáticas por trás do zk-SNARK, algoritmo utilizado em algumas moedas de privacidade.

Bitcoin Cash (BCH): Lançou plataforma de “vaquinha virtual” FlipStarterCash.

Bitcoin Cash (BCH): Plataforma Bit.com de derivativos pretende lançar contratos futuros e opções de BCH. De acordo com o site Wu Blockchain, Jihan Wu, co-fundador da fabricante de mineradoras Bitmain estaria por trás.

Litecoin (LTC): Terniotoken lançou uma versão ‘wrapped’ do LTC que permite uso direto em aplicações descentralizadas da rede Ethereum.

Litecoin (LTC): Hashrate, poder de mineração, atingiu máxima de 15 meses em 300 TH/s.

Ripple (XRP): Apresentou sua defesa frente às acusações do agente regulador SEC. Alegam que XRP é uma moeda virtual, portanto não precisa seguir a regulação de valores mobiliários.

Ripple (XRP): Sofre com uma nova ação na justiça da Flórida por um conjunto de investidores que alegam ter sido lesados.

EOS (EOS): Co-fundador Dan Larimer anunciou que está abandonando o desenvolvimento da EOS.

EOS (EOS): DappRadar anunciou que em 2020 rede EOS ficou com 35% dos endereços ativos participantes de jogos descentralizados, liderando o mercado.

Além das Criptomoedas

Bolsas pelo mundo

Após resultados das vacinas do Coronavírus apresentarem taxas de sucesso de 90% e 95%, o S&P500 nos EUA encerrou Janeiro próximo de sua máxima histórica, em alta de 10,7%. Na Inglaterra o FTSE100 encerrou o mês com alta de 12,3%. Já a Alemanha teve seu índice DAX30 subindo 15,1%, cerca de 3% abaixo de seu topo histórico.

Investidores buscaram ações que haviam sofrido muito durante o início da pandemia na expectativa da retomada gradual dos negócios. Nesse cenário, o ouro, no entanto, não conseguiu romper a barreira dos USD 1.950, encerrando em leve queda de 3,4% no mês em dólar.

Quem se deu bem:

NotreDame Intermédica (GNDI3) subiu 20,7% e Hapvida ON (HAPV3) outros 12,5% após proposta de fusão das empresas;

ViacomCBS (VIAC US): em alta de 32% após reformular oferta de programação via streaming.

Walgreens (WBA US): em alta de 25% após reportar um lucro do 1º trimestre 18% acima do esperado.

Quem se deu mal:

Eletrobras PNB (ELET6) cedeu 22,6% após troca de Presidente com fracasso das negociações para privatizar a companhia;

Cyrela ON (CYRE) e EZTec (EZTC3) caiu 13% e 14,5% respectivamente com expectativa de alta nas taxas de juros reduzindo vendas;

Global Payments (GPN US): cedeu 16% na expectativa de resultado trimestral mais fraco.

Prêmio do GBTC cai para níveis recordes

O fundo de investimento Grayscale Bitcoin Trust (GBTC), listado na bolsa norte-americana, costumava negociar com um valor muito acima dos BTC efetivamente em carteira.

Isso ocorria devido a restrição dos clientes de varejo comprarem diretamente da empresa emissora. Ou seja, eram obrigados a adquirir cotas no mercado secundário, enquanto os profissionais conseguem comprar pelo valor equivalente de BTC, sem prêmio algum.

Conforme estes investidores profissionais ficaram com cotas do fundo disponíveis para a venda, ocorreu um equilíbrio entre estas forças. O resultado? Este prêmio, que antes era cerca de 20%, caiu para atuais 3,5%.

Nova Presidente do Tesouro EUA: Criptos trazem benefícios

A recém-empossada Presidente do Tesouro norte-americano, Janet Yellen, afirmou no Senado que as criptomoedas e ativos digitais têm o potencial de “melhorar a eficiência do sistema financeiro.”

O Bitcoin foi citado nominalmente, facilitando transações financeiras ao redor do mundo. No entanto, Janet acrescentou que algumas entidades estão tentando ultrapassar regulações norte-americanas.

Em suma, a ex-Presidente do FED afirmou que irá analisar o marco regulatório para que a inovação seja permitida, porém respeitando os interesses governamentais.


Quer ficar por dentro de outras informações sobre moedas digitais? Assine a nossa newsletter e receba todas as nossas novidades em primeira mão!

Redator | BitcoinTrade

Breno tem mais de 12 anos de experiência com Marketing Digital. Já passou por grandes varejistas tradicionais e em 2017 se apaixonou pelas criptomoedas. Hoje é responsável pelas estratégias de comunicação e aquisição de novos clientes na BitcoinTrade.