Os investimentos de risco têm se tornado cada dia mais democráticos e, por isso, atraído a atenção dos mais diferentes perfis de investidor. O fato é que muitos já perceberam que deixar o dinheiro parado na poupança não é a melhor alternativa para maximizar os rendimentos.

A prática de operar no mercado financeiro costumava ser exclusiva para especialistas no assunto. Hoje em dia, entretanto, com algum esforço e dedicação, é possível encontrar facilmente material que oriente as tomadas de decisão sobre os melhores investimentos.

Como maiores riscos implicam retornos mais significativos, apresentamos, a seguir, alguns investimentos de risco do mercado para auxiliá-lo na busca pelos melhores rendimentos disponíveis. Confira! 

1. Criptomoedas

As criptomoedas são a grande novidade do mercado de investimento de risco. Elas consistem em ativos virtuais sem regulação que podem ser criados a partir da capacidade de processamento do computador do investidor. Isso porque sua produção é, em grande parte, baseada no processo de mineração.

As principais vantagens desse tipo de investimento são, justamente, a falta de regulação e os altos rendimentos proporcionados por ele. Em 2017, por exemplo, o Bitcoin fez os primeiros bilionários: a moeda já soma uma valorização de 1500%. 

Para quem deseja comercializá-las, é possível recorrer a corretoras de valores. Seu risco está associado ao fato de que muitos especialistas apontam o investimento como uma bolha financeira prestes a estourar.    

2. Bolsa de valores

A bolsa de valores é, talvez, o investimento de risco mais conhecido. As empresas que resolvem abrir seu capital oferecem suas ações ao mercado e permitem que agentes externos façam parte de seu quadro de investidores.

As ações podem ser ordinárias ou preferenciais, com direito a voto em Assembleias Gerais quando se trata da primeira alternativa. Já nas ações preferenciais, o investidor tem prioridade no recebimento de dividendos quando eles são distribuídos.

O risco, basicamente, consiste no fato de que o dinheiro investido está atrelado aos resultados da empresa. Em outras palavras, é preciso confiar nos dados divulgados e na administração vigente. 

3. Câmbio

O câmbio é um investimento que tem como base a variação entre as moedas de diferentes países. Por fatores políticos, econômicos ou sociais, a moeda sofre flutuações diárias que permitem que os investidores obtenham rendimentos a partir da troca de valores entre elas.

Esse é considerado um investimento arriscado. Isso porque a valorização ou a desvalorização da moeda está sujeita a grandes variações que, muitas vezes, são imprevisíveis.   

4. Debêntures

As debêntures são um investimento de risco semelhante ao mercado de ações. No entanto, em vez de o investidor emprestar dinheiro para uma empresa fazer suas operações, ele compra um título de dívida e ganha o direito de receber o valor investido acrescido de remuneração no vencimento.

Apesar de se tratar de um investimento de renda fixa, as debêntures são consideradas arriscadas. Isso porque nem sempre uma empresa endividada consegue sair dessa situação e honrar suas obrigações no futuro. 

Os investimentos de risco são, sem dúvida, uma opção mais garantida para quem quer maximizar seus rendimentos. Além dessas opções, o mercado oferece alternativas que fazem valer a máxima de que “quanto maior o risco, maior o retorno”.

Pronto para se aventurar no universo dos investimentos de risco? Se sua decisão for investir em criptomoedas, conheça os quatro principais problemas do Bitcoin e como eles têm sido superados.