Empresas e intermediários de pagamento têm oferecido serviços que permitem ao usuário utilizar criptos no dia a dia. 

Através do cartão, o usuário pode acessar diversos estabelecimentos, mesmo aqueles que não aceitam Bitcoin e criptomoedas.

Existe mesmo cartões de crédito cripto?

Não. Na verdade, o que existem são cartões de débito, na modalidade pré-pago. Nesse modelo o usuário “carrega” o saldo com suas criptos, e na hora da compra ocorre a venda para a moeda fiduciária, de forma automática.

Ou seja, a empresa que está oferecendo o serviço atua como uma intermediadora na venda das criptos e repassa o valor em moeda fiduciária para o agente de pagamento do cartão, através das bandeiras Visa ou Mastercard.

Entretanto, a cotação das criptomoedas ao usar esses serviços podem ser diferentes das exchanges convencionais. Além disso, costumam ser aplicadas taxas adicionais.

O valor da compra é então cobrado, portanto nada fica para pagar na fatura do cartão, como ocorre nos cartões de crédito convencionais.

Como usar esse serviço?

Algumas empresas e corretoras de criptomoedas já oferecem um cartão pré-pago. Nesse caso, o processo é parecido com os bancos tradicionais, pois é necessário um cadastro na plataforma.

A diferença é o uso do Bitcoin ou demais criptomoedas como saldo em sua conta no cartão. Algumas empresas exigem que a compra de criptomoedas ocorra na própria plataforma, já outras aceitam transferências de outras carteiras.

Quais empresas oferecem esse cartão?

A maior exchange dos EUA, Coinbase, oferece um cartão de débito cripto desde 2019. Através de uma parceria com a Visa, permite usar diversas criptomoedas, incluindo Ethereum e Litecoin. 

O cartão não tem anuidade ou taxa de inscrição, porém algumas taxas são cobradas e informadas na hora da transação. Atualmente o serviço está disponível somente nos EUA e em alguns países europeus. 

No Brasil já existem algumas empresas oferecendo o serviço, incluindo as startups Alter e Zro Bank, e ambas utilizam a bandeira Visa. Antes de utilizar qualquer cartão cripto, é recomendável verificar se a empresa está devidamente regulada, e analisar os riscos e taxas de cada produto.

Relação com a Visa e Mastercard

As duas maiores empresas de pagamento se posicionaram recentemente defendendo as criptomoedas, em especial o Bitcoin. Por exemplo, o CEO da Visa disse que a empresa vai permitir a compra de Bitcoin. 

Além disso, a Visa vai integrar carteiras digitais para permitir conversão em moeda fiduciária, sendo aceita em qualquer comerciante conveniado com a bandeira.

De maneira similar, a Mastercard pretende integrar criptomoedas, mas, ao invés de utilizar um parceiro na intermediação, o próprio sistema irá oferecer compra e venda para os clientes.

Apple Pay e Google Pay

O Apple Wallet e o Google Pay são serviços de carteira digital que permitem fazer compras online utilizando cartões previamente cadastrados. 

Recentemente, a Coinbase integrou seu cartão em ambas as plataformas. Portanto, os clientes podem fazer compras usando um cartão cripto que realiza a venda de forma automática para moeda fiduciária, com possibilidade de receber cashback.

Por que usar um cartão de débito cripto?

Usar um serviço desses é interessante para quem mantém suas economias em criptos. Desse modo, o usuário não precisa primeiro vender suas moedas e depois realizar compras com o valor fiduciário. Em resumo, a transação ocorre de forma mais rápida e simples usando o cartão pré-pago.

Além disso, algumas plataformas apresentam a possibilidade do cashback, devolvendo uma porcentagem dos gastos em criptos. Aproveite para conhecer o Bitcoinback, o programa de recompensas em Bitcoin da Bitcointrade.

De forma resumida, os cartões cripto funcionam em qualquer estabelecimento no mundo que aceite a respectiva bandeira (Visa / Mastercard). Sem dúvidas é uma maneira prática para quem pretende viajar, evitando assim as casas de câmbio e riscos do dinheiro em espécie.