Se você já conhece um pouco mais sobre o mercado de ações ou de criptoativos, provavelmente, já ouviu falar sobre o candlestick a essa altura. Mas você sabe o que é isso, exatamente?

Basicamente, o candlestick é um dos formatos de gráficos mais utilizados nesses mercados para ilustrar como o valor de uma ação ou criptomoeda oscilou em um dia. Esse formato tem “castiçal” como nome, devido às suas colunas, que lembram esse objeto. 

Porém, na prática, a utilidade de um gráfico candlestick vai muito além de ser uma ilustração simpática. Esse tipo de gráfico ajuda a identificar padrões e, até mesmo, prever as movimentações de um ativo, seja ele qual for. Isso, por sua vez, é especialmente útil para traders, que seguram suas aquisições por pouco tempo para ter ganhos mais imediatos com as altas que podem acontecer durante o dia.

Para chegar nesse nível de análise e atingir novos patamares, é necessário mergulhar de cabeça nos conceitos mais básicos. Pensando nisso, trouxemos tudo o que você precisa para usar essa ferramenta a seu favor e começar a entender os padrões dos seus investimentos.

Leitura de candlestick: principais elementos

Quando observamos um gráfico candlestick pela primeira vez, até conseguimos traçar alguns paralelos com o de barras. Assim como esse segundo, aqui podemos visualizar altas e baixas, porém de forma bem mais completa. 

Cada coluna do candlestick tem um traço fino e um traço grosso, sendo que o mais fino – chamado de sombra – indica o maior e o menor valores atingidos em um período. Enquanto isso, o traço grosso – chamado de corpo real, ou “real body” – mostra o valor de um ativo na abertura e no fechamento do mercado naquele período. Quanto mais compridos forem ambos, maior a oscilação sofrida. 

Outro ponto de atenção são as cores. Na maior parte dos sites, os candlesticks de alta são identificados com a cor verde, enquanto os de baixa costumam ser pintados na cor vermelha. Isso, por sua vez, muda a ordem que os dados são representados em cada coluna.

Por exemplo, a ordem das informações fornecidas por um candlestick de alta, de cima para baixo, é:

  1. maior alta;
  2. valor de fechamento;
  3. valor de abertura;
  4. maior baixa.

Já a ordem das informações dadas por um de baixa sofre uma pequena mudança. De cima para baixo, temos:

  1. maior valor de alta;
  2. valor de abertura;
  3. valor de fechamento;
  4. maior baixa.

Padrões de candlestick

Por ajudar a ilustrar e sintetizar oscilações sofridas por um ativo em determinados períodos, os candlesticks permitem a identificação de padrões. Porém existem diversos deles, e, para verdadeiramente entendê-los, é preciso ir a fundo nesse conhecimento. 

A boa notícia para quem está começando é que, dentre essa enorme gama de possibilidades, existem dois padrões mais básicos, que você pode começar a entender desde já e que tendem a ajudar a identificar oportunidades de compra e venda.

A estrela cadente

Um dos momentos mais importantes para os traders é saber o momento certo de vender. O padrão da estrela cadente é um dos recursos que ajudam a identificá-lo. Ele acontece após uma alta, sendo formado por um candlestick com corpo real pequeno, posicionado na parte inferior. Já a sua sombra, que deve ter pelo menos duas vezes o tamanho do corpo, é alongada na área superior. Aqui, não importa se a cor estiver indicando uma alta ou baixa, mas, sim, como os elementos são distribuídos.

Para saber se a estrela cadente formada está realmente indicando uma oportunidade de venda, é preciso avaliar o candlestick seguinte. Caso ele tenha um preço de abertura fixado abaixo do fechamento da estrela e/ou seja um candlestick de baixa com um preço de fechamento abaixo da estrela cadente, você, provavelmente, tem a sua confirmação.

O martelo

O martelo, por outro lado, parece uma versão invertida da estrela cadente que mencionamos no tópico anterior. Ele acontece após uma baixa, sendo formado por um candlestick com um corpo bem curto, posicionado na parte de cima. Já sua sombra inferior precisa ter, pelo menos, o dobro do corpo real, enquanto a superior precisa ser bem pequena e, idealmente, inexistente. Outra característica importante do padrão do martelo é que ele também pode acontecer, tanto em uma alta, quanto em uma baixa.

De qualquer forma, esse padrão é tido como importante por ser geralmente um sinal de futuras oportunidades de compra. Porém, para saber se o sinal é verdadeiro, há dois aspectos de confirmação que podem ser observados na próxima abertura:

  1. a abertura deve ter seu preço fixado acima do corpo do martelo;
  2. o corpo real deve apontar para alta, com preço de fechamento maior que o fechamento do martelo.

Análise candlestick: vantagens em relação ao gráfico de linhas

Assim como o candlestick, o gráfico de linhas também permite a identificação de padrões de comportamento de um ativo. O candlestick, no entanto, favorece análises de curtos períodos de tempo, enquanto gráficos de linhas permitem que você tenha noção da “pintura completa”, focando no longo prazo.

Por conta dessas características, o tipo de gráfico que estamos falando não é o mais amigável para investidores com o perfil holder, ou seja, que preferem comprar ativos e obter ganhos no longo prazo.  Com isso, também é válido afirmar que os gráficos de linha não são o melhor guia para traders.

Candlestick: livro que ajudou a popularizar o seu uso

O candlestick sempre foi um gráfico bastante útil para traders, porém é válido comentarmos sobre o livro que ajudou a tornar seu uso ainda mais comum. “Candlestick: um Método Para Ampliar Lucros na Bolsa de Valores” foi lançado pela primeira vez em 2007 e até hoje é tido como uma das “leituras obrigatórias” para aquelas pessoas que querem tirar o máximo proveito dos padrões de alta e baixa dos ativos que compram. 

Está preparado para colocar seus aprendizados sobre candlestick em prática? Confira como comprar Bitcoin e outros tokens. E, se ainda tiver questões sobre o mercado de criptoativos, confira nossos conteúdos para tirar suas dúvidas sobre nomes de criptomoedas, como minerar Bitcoin e muito mais temas correlacionados.