Em 3 de janeiro de 2019, o Bitcoin completou sua primeira década. Foi nessa data, no ano de 2009, que Satoshi Nakamoto minerou o primeiro bloco da moeda virtual — o Bloco Gênesis. A identidade do criador da moeda permanece desconhecida e ainda gera diversos questionamentos, além de inspirar mitos.

Desde então, a criptomoeda não parou de crescer e ganhou popularidade, a sua tecnologia — o blockchain — permitiu a criação de diversas outras moedas virtuais, além de ganhar inúmeras aplicações. Quer saber como foi a incrível história da criação do Bitcoin e a mineração do Bloco Genesis? É só continuar a leitura!

O mundo em 2009

O Bitcoin foi a primeira moeda virtual e a aplicação pioneira da tecnologia que viria a ser conhecida depois como blockchain. Em outubro de 2008, Satoshi Nakamoto lançou o white paper do Bitcoin, no qual explicava o conceito e como funcionaria a moeda virtual que seria minerada pela primeira vez dali a dois meses.

Vale lembrar o que estava acontecendo no mundo naquele momento: um mês antes, em setembro, o banco de investimentos norte-americano Lehman Brothers havia declarado aquela que até hoje é a maior falência dos Estados Unidos.

A data se tornou um marco para a crise das hipotecas que vinha se instalando e que se espalharia por todo o globo. Abalou não mais apenas o mercado imobiliário, mas todo o sistema financeiro e a economia real, causando desemprego e recessão em diversos países. Seus reflexos são sentidos até hoje.

O nascimento do Bitcoin

O bloco Gênesis, também conhecido como bloco #0, contém os 50 primeiros Bitcoins e foi lançado em 3 de janeiro de 2009, depois de levar 6 dias sendo minerado. Para comparar, atualmente a mineração de um bloco como esse levaria apenas alguns minutos.

A primeira transação em Bitcoin foi realizada em 12 de janeiro de 2009. Nesse dia, Satoshi enviou 10 Bitcoins para Hal Finney, um programador que ficou conhecido justamente por ser o primeiro usuário da moeda virtual no mundo.

Finney morreu em 2014, vítima da doença degenerativa esclerose lateral amiotrófica (ELA), e investiu todos os seus Bitcoins no processo de congelamento de corpos para serem ressuscitados no futuro, uma tecnologia conhecida como criopreservação. O seu próprio corpo se mantém congelado dessa forma.

A declaração de propósito

Um dos fatos mais interessantes sobre a criação do Bitcoin é que o Bloco Gênesis traz uma mensagem criptografada que é, ao mesmo tempo, uma prova da sua data de nascimento e uma declaração de propósito.

Seu código faz alusão à manchete do The Times, do dia 3 de janeiro de 2009, que dizia: “The Times 03/Jan/2009 Chancellor on brink of second bailout for banks”. A matéria relata que Alistair Darling, então chanceler do exército do Reino Unido, estava considerando um segundo resgate para os bancos do Reino Unido, o que acabou se concretizando um ano mais tarde.

Assim, o lançamento do Bitcoin representa a liberdade em relação aos governos e bancos centrais e uma soberania monetária absoluta, que é justamente um dos diferenciais das criptomoedas. Vale lembrar novamente que a tecnologia da moeda nasceu em meio a uma das maiores turbulências financeiras das últimas décadas.

Nesses últimos dez anos, o Bitcoin cresceu e se popularizou rapidamente, abrindo espaço para a criação de cerca de 700 moedas digitais, como o Ethereum, o Litecoin e muitas outras. Além disso, o blockchain vem ganhando inúmeras aplicações, devido à segurança que proporciona para as mais complexas operações.

Gostou de conhecer a história do Bloco Gênesis? Então aproveite para continuar a leitura e saber mais sobre o Satoshi e sua relação com os Bitcoins!