O Bitcoin (BTC) encerrou o terceiro trimestre do ano como o ativo com maior valorização, à frente das Bolsas do Brasil e dos EUA, além de ativos como o Dólar e o Ouro.

Se avaliarmos apenas o mês de Setembro, veremos que o Bitcoin sofreu uma desvalorização, assim como o S&P 500, a Nasdaq e a Ibovespa. Nesse mês, o Dólar obteve uma valorização de 3,1% frente ao Real, sendo um dos únicos ativos que fecharam o mês “no verde”.

Quando a análise passa a avaliar o trimestre inteiro (período entre Julho e Setembro), o cenário muda bastante: O Bitcoin acumulou um crescimento de mais de 22%, seguido pelo Ouro, que obteve um valorização de cerca de 5% e pelas bolsas, tanto do Brasil quanto dos EUA, que praticamente andaram de lado após a rápida recuperação no período pós-covid.

CoronaCrash: mercados em Pânico

Se expandirmos ainda mais a análise e olharmos para o ano inteiro, o Bitcoin ganha de lavada de qualquer outro ativo. O S&P 500, por exemplo, está praticamente no mesmo nível de Janeiro: 3.360 pontos contra 3.257 na abertura do ano. Uma valorização de pouco mais de 3%. É importante lembrar que, de lá para cá, o índice chegou a cair para o patamar dos 2.200 pontos, no auge da crise provocada pelo Coronavírus.

Na Ibovespa, o cenário é ainda pior. Iniciamos o ano na casa dos 120 mil pontos. No dia 23 de março, o índice chegou aos 63 mil pontos, com quase 50% de perda desde a sua máxima. Foram 6 Circuit Breakers em apenas 10 dias, sendo 2 no mesmo dia, 12 de março.

De lá pra cá, a Bolsa Brasileira já recuperou a maior parte das suas perdas, mas ainda não chegamos ao patamar em que estávamos em Fevereiro. Hoje estamos lutando para superar os 100 mil pontos, mas as constantes tensões políticas atrapalham essa retomada, bem como o receio de não termos ainda 100% de clareza em relação à vacina contra o Covid-19.

Tais incertezas e tensões políticas, bem como a baixíssima taxa de juros imposta pelo Banco Central também pressionam o preço do Dólar. O ativo começou o ano cotado na casa dos 4 reais, disparou para quase R$ 6,00 em Maio, recuou novamente para R$ 4,90 e hoje estamos “presos” entre R$ 5,40 e R$ 5,60. Trata-se de uma valorização de cerca de 40% no ano. Se não fosse o Bitcoin, este seria certamente o melhor ativo do ano para o investidor brasileiro.

Mas temos o Bitcoin!

Quando olhamos para o Bitcoin, o cenário é ainda mais impressionante. É importante fazer essa análise com 2 variáveis: o Bitcoin em Dólar e o Bitcoin em Real.

Em Dólar, a moeda já acumula uma valorização de quase 50% no ano, mesmo com a queda de 55% entre os meses de Fevereiro e Março. Como no Brasil o preço do Bitcoin também é influenciado pela cotação do Dólar, os investidores que compraram Bitcoins na BitcoinTrade no dia 1 de Janeiro, já acumulam ganhos de 112%! É isso mesmo! Alguém que tenha comprado 10 mil reais, hoje tem mais de 20 mil reais!

Por isso, lembre-se: é cada vez mais importante você ter uma parcela do seu patrimônio em Bitcoin e outras criptomoedas. Elas podem ser um excelente ativo de proteção contra todo tipo de crise financeira e política!