Binance Coin (BNB) é, atualmente, um dos nomes de criptomoedas mais comentados no mercado quando o assunto é altcoin.

Criada pela pela empresa de exchange Binance, a moeda surgiu com o propósito de ser utilizada para pagar por serviços e transações dentro da plataforma. No entanto, conforme foi se valorizando, essa criptomoeda conquistou a atenção de investidores — especialmente aqueles que estão habituados a negociar em exchanges de outros países. 

O destaque obtido pela Binance Coin foi bastante fora da curva quando comparado com o de outras criptomoedas que tiveram origens similares, como é o caso da Unus Sed Leo e da Huobi Token. Claro que essa criptomoeda, assim como as demais, tem as suas particularidades e riscos que devem ser observados e avaliados para entender se o investimento realmente compensa. 

Para te ajudar a entender se a Binance Coin é a escolha certa para você, ou se comprar Bitcoin e outras criptomoedas presentes no mercado há mais tempo é a escolha mais segura, preparamos este conteúdo. Confira essas e outras informações abaixo.

Binance Coin history: histórico detalhado da moeda

A Binance Coin foi criada em 2017 pela Binance, uma exchange com sedes nas Ilhas Cayman e na Ilha de Mahe em Seychelles. Originalmente planejada para facilitar e dar descontos nas transações na plataforma da empresa que a lançou, essa criptomoeda inicialmente fez parte do sistema de blockchain da Ethereum. Porém, isso durou apenas dois anos, tendo suas transações transferidas para o próprio blockchain da Binance após esse período. 

A ocasião do seu lançamento foi uma ICO (initial coin offering — oferta inicial de moeda), que é o momento em que os responsáveis pela criação de um novo token tentam angariar investidores para viabilizar o seu lançamento. Para tornar essa arrecadação de fundos mais atraente, a Binance ofereceu 10% dos Binance Coins disponíveis inicialmente para investidores anjos, 40% para o time de fundadores e os demais 50% para quaisquer outros participantes no processo de ICO. A atração de investidores foi bem-sucedida e pelo menos um terço dos valores obtidos foi utilizado para tornar o ecossistema da moeda mais sofisticado. 

A Binance Coin é uma criptomoeda que é emitida através da mineração e, assim como o Bitcoin, ela tem a sua emissão limitada, podendo, nesse caso, chegar a um máximo de 200 milhões de unidades. No entanto, a Binance já anunciou que irá gradualmente eliminar 50% dessa quantidade por meio da sua política de queima de moedas, eventualmente reduzindo a sua disponibilidade para 100 milhões de unidades.

A queima trimestral de Binance Coins

Enquanto o sistema do Bitcoin limita a emissão de novas unidades por meio dos halvings, a disponibilidade das Binance Coins tem sido limitada a partir das queimas trimestrais. Esse é um sistema que tem sido utilizado apenas pela Binance e que consiste na compra e “queima” de unidades da moeda virtual por parte da empresa de exchange. Essa forma de limitação já havia sido explicada no whitepaper divulgado no ICO e, conforme esperado, a Binance usa cerca de 20% dos seus lucros para comprar e queimar Binance Coins. Sendo assim, o valor queimado não é fixo e só é anunciado quando é chegada a hora. 

Por enquanto, a Binance Coin já passou por 16 queimas. A mais recente (até o momento em que estamos escrevendo este texto) aconteceu em julho de 2021, momento em que 1,296,728 BNB foram tiradas de circulação. 

Para quem se interessa por essa criptomoeda, essa queima trimestral é um evento de extrema importância. Afinal, com a diminuição das unidades disponíveis e o crescente interesse de novos investidores nesse mercado, a tendência é que ela se torne cada vez mais valiosa.

Para que serve a Binance Coin? 

Como já comentamos, a Binance Coin foi criada especialmente para ser usada dentro da plataforma da exchange, com a vantagem de permitir que o usuário tenha descontos nas taxas. Porém, com o tempo, ela passou a ser aceita por algumas outras empresas que, apesar de não serem muitas, já contribuem para engrandecer o seu valor. Usos que vão além da plataforma incluem trading (troca dessa criptomoeda por outra), pagamentos, investimentos e até mesmo reserva de hotéis em alguns sites estrangeiros.

Binance Coin: valor desde o lançamento

Quando lançada, a unidade da Binance Coin valia US$ 14,46 e seu preço nunca ficou muito abaixo disso. Atualmente, em agosto de 2021, a unidade dessa criptomoeda está valendo cerca de US$ 480,00. Apesar de o preço atual ser bastante elevado, está consideravelmente distante do seu maior valor atingido em toda a história, que foi de US$ 649,63.

Desvantagens da Binance Coin

Exatamente por ser uma criptomoeda que está intimamente atrelada a uma empresa que já passou pelo seu IPO e está presente na bolsa de valores, seu valor está relacionado ao desempenho da sua criadora no mercado. Sendo assim, essa moeda tem um fator de influência extra em seu preço que as demais geralmente não têm. 

Além disso, por enquanto, ela ainda tem pouquíssima utilidade para além da plataforma da Binance, tornando-a pouco versátil caso você queira uma criptomoeda para fazer compras online, por exemplo.

Binance Coin paper wallet: alternativa válida?

As paper wallets — carteiras de papel, em tradução literal — são uma alternativa aos hot storages e às carteiras hardwares tradicionais, que se assemelham visualmente a pendrives. Atualmente, elas também são uma das alternativas mais buscadas para armazenar Binance Coins, dentre outras criptomoedas. 

Basicamente, elas consistem na alternativa de depositar fundos em um endereço já existente no blockchain por meio de um software offline. Isso é possível basicamente porque como todos os endereços já estão criados e os softwares especializados para isso seguem a mesma lógica. 

No entanto, é importante lembrar que nem sempre a alternativa mais buscada é a mais segura. Apesar de serem de certa forma populares por serem gratuitas, as paper wallets são limitadas e possuem mais riscos que os hardwares. Caso você adquira Binance Coins, é válido pensar em outra alternativa para armazená-los.

O que você achou da Binance Coin? Apesar de ser promissora, o fato de seu valor poder ser influenciado pela situação da empresa que a criou pode ser considerado um risco desnecessário para investidores que têm um perfil mais conservador.