Bitcoin 2019: previsão do crescimento de mercado

O último ano foi marcado por quedas consideráveis no valor de mercado do Bitcoin, o que gerou uma onda de preocupação entre investidores e mineradores.

Entretanto, as perspectivas do Bitcoin 2019 são positivas, sendo que o mercado deve se recuperar e apresentar um crescimento significativo.

Confira a seguir quais são as principais projeções para o Bitcoin e descubra como você pode aproveitar estas oportunidades para começar a investir em criptomoedas

Crescimento do potencial de mineração

O ano de 2019 promete ficar marcado pelo aumento do potencial de mineração do Bitcoin. Isso quer dizer que a moeda deve alcançar uma liquidez mais alta, podendo atingir valores estimados entre US$ 20 mil e US$ 64 mil.

A expansão do mercado, a maior da circulação de Bitcoins e o aumento de investidores envolvidos impulsiona o crescimento da moeda, potencializando o suporte e a confiança na tecnologia blockchain. Tudo isso impacta diretamente na liquidez do ativo.

Criação de projetos inovadores

Outro fator que aponta para o crescimento e a valorização do Bitcoin é o envolvimento crescente de novos projetos voltados para armazenamento e comercialização de criptomoedas.

Hoje, já é possível enviar arquivos digitais via SMS e fazer doações de ativos por meio de redes sociais como o Twitter. A tendência é que esta acessibilidade deve atrair novos investidores, sendo uma das principais razões para a expansão do mercado.

Aumento da acessibilidade

A criação de novos projetos impacta na ampliação da acessibilidade no uso de moedas virtuais.

O que até então era um modelo restrito a uma parcela pequena de população  atendendo, basicamente, investidores e usuários com conhecimento em tecnologia  deve ganhar mais popularidade, atingindo um novo grupo de pessoas.

O aumento da acessibilidade é um fator que atrai a atenção do mercado, já que aumenta a popularidade das moedas e permite a sua disseminação para um público cada vez maior.

Parcerias entre empresas e instituições

Outro aspecto que agregará força para as moedas digitais é a parceria entre empresas privadas e instituições que tenham negócios voltados para o mercado de criptomoedas.

A tendência é que o ano de 2019 seja marcado pelo aumento no volume de negociações neste mercado. A chegada da indústria corporativa no universo das moedas digitais será um dos pontos de guinada que agregará um crescimento expressivo para o mercado de forma geral.

Como você pode ver, a tendência é que o mercado de Bitcoin cresça exponencialmente ao longo do ano. Com isso, muitos investidores buscam a compra de ativos e a complementação de suas carteiras.

Este pode ser o momento ideal para você aproveitar a oportunidade de crescimento e a situação econômica para se beneficiar da tecnologia e das inovações trazidas pelas criptomoedas. Por isso, pesquise sobre as tendências, busque uma exchange séria e comece agora mesmo a aproveitar o momento de aquecimento de mercado para comprar os seus Bitcoins.

Este post sobre as previsões do Bitcoin 2019 foram úteis para você? Então, comente logo abaixo a sua opinião ou dúvida a respeito das projeções da criptomoeda para este ano! 

Ouro e Bitcoin: qual a melhor opção para investir?

Se você está pesquisando sobre novas alternativas de investimento, já deve ter se deparado com diversas opções de aplicação. Porém, se você está buscando uma alternativa que tenha liquidez, mas que ainda assim, tenha uma demanda maior do que a oferta, que não seja emitido frequentemente, como as ações empresariais e sem lastro, o ouro e Bitcoin são opções interessantes.

Desde 2017, o Bitcoin superou o valor do ouro em dólares e isso fez com que especialistas em investimentos voltassem seus olhares para a moeda virtual. Contudo, qual é o melhor investimento? Neste artigo, vamos te explicar qual a vantagem e desvantagem de cada alternativa e ajudar você a tomar a melhor decisão para o seu investimento.

Ouro

O ouro possui um valor de mercado garantido, não importa se ele se encontra em formato bruto, barras ou moedas antigas. Além de ser indestrutível, ele também é anônimo, sendo impossível rastreá-lo. Em pequenas quantidades, ele é relativamente fácil de ser transportado e comercializado. Porém, se a sua intenção é realizar um grande investimento, deve-se ficar atento às dificuldades de armazenamento do ouro em grande quantidade.

A demanda de ouro é crescente e a sua oferta é limitada, mas ainda não temos conhecimento de quanto ouro ainda há disponível no mundo, sabemos que uma hora ele vai acabar. E isso faz com que tenhamos certeza que o preço do ouro sempre estará em alta, ou pelo menos, terá uma estabilidade. Apesar de ser considerado um ativo de renda variável, a velocidade e a imprevisibilidade dos preços do ouro são pequenas.

Bitcoin

O Bitcoin é uma moeda virtual que tem se destacado nos últimos anos, hoje, muitas pessoas investem em criptomoedas. Mas, em se tratando de liquidez, o Bitcoin possui uma desvantagem, afinal, são poucos os lugares que aceitam a moeda e que podem revertê-la para dinheiro em espécie.

Entretanto, diferentemente do ouro, realizar operações de transferência de Bitcoin é extremamente rápido. Sem falar que as taxas cobradas para realizar transações com a moeda virtual são muito baixas. Por ser uma moeda virtual a armazenagem e transporte da criptomoeda são fáceis e com um custo muito baixo, caso você opte por comprar uma carteira hardware.

Além disso, a oferta de Bitcoin é limitada, porém, diferente do ouro, sabemos que o limite de emissão da moeda virtual é de 21 milhões. Portanto, quanto mais se aproxima desse número limite, maior é o valor de mercado da criptomoeda.

A grande vantagem do Bitcoin é oferecer resistência às tentativas de bloqueio e censura por parte de agências governamentais. Por mais que um país queira banir o uso da moeda virtual, é incrivelmente fácil driblar a censura, visto que o Bitcoin não pode ser rastreado.

O ouro e Bitcoin possuem suas vantagens e desvantagens. Enquanto o ouro possui mais liquidez, a criptomoeda tem um custo de transação mais baixo, se valoriza mais rápido e é melhor para armazenar e transportar. Agora cabe a você decidir qual é a alternativa de investimento que mais se adéqua ao seu perfil!

Gostou do nosso artigo? Quer saber mais sobre a comercialização de Bitcoin? Então, entre em contato conosco agora mesmo!

Bitcoin no mundo: quais os principais países que mineram no mercado?

Se você já pesquisou sobre investimentos deve ter ouvido falar sobre o Bitcoin. Ele é a principal moeda digital do mercado e, apesar de outras alternativas terem surgido nos últimos anos, poucas conseguiram se popularizar tanto quanto ele. Um dos motivos para esse sucesso é a facilidade de negociá-lo e a rápida valorização que ele sofreu nos últimos tempos.

Mas para conseguir essa moeda é necessário que você a compre por meio de uma exchanges, que é uma espécie de bolsa de valores de Bitcoin. Você pode, ainda, minerá-las, que é o processo de criação dessas moedas.

Neste artigo vamos falar sobre o processo de mineração de uma moeda virtual e vamos mostrar quais são os países que possuem o maior mercado de mineração de Bitcoin no mundo.

O que é a mineração Bitcoin

Mineração é o processo de criação das moedas virtuais. E para realizar essa ação é necessário ter um computador com uma alta capacidade de processamento. Os computadores devem ser potentes, visto que eles precisam realizar milhares de cálculos por segundo para encontrar uma combinação perfeita que fará com que um bloco de transações de Bitcoin seja compatível com um bloco anterior.

Todas as vezes que uma sequência é encontrada o minerador recebe uma recompensa em Bitcoin.

Qual a relação da mineração com o consumo de energia elétrica

Como sabemos, para minerar bitcoins é necessário utilizar computadores potentes. Portanto, o consumo de energia elétrica é elevado. E isso pode influenciar diretamente nos seus lucros. Então se você está pensando em começar a minerar moedas virtuais fique atento quanto ao custo de energia.

Muitos mineradores, com o objetivo de manter o seu lucro o mais alto possível, estão transferindo suas fábricas de mineração para países onde o custo de energia elétrica é mais baixo.

Por exemplo, imagine que o custo elétrico para se minerar 1 Bitcoin na Coreia do Sul seja de US$ 26.000, ao mesmo tempo, para se minerar o mesmo Bitcoin na Venezuela o custo elétrico será de US$ 531. Vale muito mais a pena montar a fábrica de mineração na Venezuela, já que o lucro será muito maior.

Portanto, escolher um país com energia barata pode ser essencial para o sucesso da sua mineração.

Quais os principais países para se minerar

Existem diversos países com energia elétrica barata, mas o custo da eletricidade não deve ser o único fator a se levar em conta. A Venezuela, por exemplo, é um dos países com a energia mais barata, porém vem enfrentando uma crise, possui um rigoroso controle estatal e está passando ondas de violência.

Vamos mostrar aqui alguns dos países com o melhor custo-benefício para minerar e vamos falar um pouco sobre a sua importância no mercado de mineração de Bitcoin.

China

A China hoje é o país que mais minera Bitcoin no mundo. Além de ter uma energia considerada excepcionalmente barata, as companhias elétricas chinesas oferecem vantagens às empresas de mineração, como direcionar o excedente de energia elétrica para as instalações de mineração, para que nenhuma energia seja perdida.

Por isso algumas das maiores empresas de mineração estão localizadas na China. É calculado que as companhias chinesas possuem cerca de 60% do controle de hash do Bitcoin, ou seja, aproximadamente 60% de todos os novos Bitcoins minerados são provenientes da China.

Por ter uma energia elétrica super barata, a China ainda seria a melhor opção para minerar as moedas virtuais mesmo se elas estivessem valendo metade do seu valor, cerca de US$ 6.925. Além disso, a população chinesa é uma grande apoiadora dessa criptomoeda. Portanto, a China, hoje, é considerada uma grande potência no mercado de mineração.

Geórgia

Além de possuir uma energia barata, a Geórgia é o lar de uma das maiores fabricantes de equipamentos de mineração e chips de Bitcoin. Além disso, esse país é responsável por cerca de 15% da mineração de todos os novos Bitcoins.

Suécia

Apesar de não ser um dos países com a energia elétrica mais barata, a Suécia ainda possui um excelente custo-benefício. Tanto é que, hoje, estima-se que cerca de 7,5% de todos os novos Bitcoins sejam minerados lá.

EUA

Os Estados Unidos são o lar de uma grande empresa de mineração, a 21 Inc. Essa empresa tem sede na Califórnia e, além de rodar uma quantidade grande de mineiros, ela é responsável por vender mineradores Bitcoin de baixa potência. Somente essa empresa é responsável pela mineração de aproximadamente 3% de todos os novos Bitcoins.

EUA, Suécia, Geórgia e, principalmente, China mineram cerca de 80% dos novos Bitcoins, portanto sobra pouca coisa para o resto do mundo. Mas, países como a República Checa, Islândia, Canadá e Singapura ainda são considerados bons lugares para instalar a sua fábrica de mineração de moedas virtuais.

Na hora de escolher o melhor país para montar a sua fábrica de mineração, é importante levar em conta as suas políticas internas. A Coreia do Sul, por exemplo, está considerando banir todas as transações com criptomoeda em seu território. Isso fez com que o valor do Bitcoin caísse quase 21% no país.

O governo sul-coreano está preparando um projeto de lei que proíbe o comércio de moedas virtuais em exchanges locais, o que dificultará a conversão de bitcoins em wons coreanos. Mas mesmo que o projeto de lei siga em frente, ainda pode demorar muito tempo para que as moedas virtuais sejam realmente proibidas no país.

Para realizar a mineração de Bitcoins é necessário possuir computadores potentes que trabalharão procurando sequências que sejam compatíveis com os blocos anteriores.

Esse processo demanda um consumo muito alto de energia elétrica, o que influencia diretamente nos lucros que se obtêm com a criptomoeda. Desse modo é necessário buscar um país que possua energia elétrica barata, para garantir uma maior margem de lucro.

E a China, hoje, é considerada a grande potência no mercado de mineração de moedas virtuais, pois, além de possuir um custo elétrico muito baixo, as companhias elétricas dão incentivos para as empresas de mineração. Podemos dizer, então, que a China é uma das melhores opções de país para se minerar Bitcoin no mundo.

Portanto, na hora de montar a sua fábrica de mineração de criptomoedas é essencial avaliar quais são as opiniões do governo sobre o Bitcoin e, principalmente, qual é o custo-benefício da energia elétrica. Tendo em vista esses dois fatores a chance de elevar seus lucros será maior.

Gostou do artigo sobre Bitcoin no mundo? Quer conhecer mais sobre os nossos serviços e tirar suas dúvidas? Então, entre em contato conosco!

Entenda o mercado de criptomoeda e futebol!

Será que criptomoeda e futebol combinam? Pode até parecer mentira, mas assim como outros setores, o mercado de futebol também já adotou as moedas virtuais como forma de pagamento e, em muitos casos, até na criação de novas criptomoedas com foco no esporte.

Apesar de sabermos de todo o seu crescimento, não podemos deixar de notar que esse é um grande avanço, o que mostra que as moedas virtuais podem se encaixar em qualquer setor, não somente no mercado financeiro.

Por isso, no post de hoje, vamos falar um pouco mais dessa sinergia com o setor futebolístico. Continue acompanhando a leitura para entender melhor sobre o cenário atual, bem como o futuro desse mercado.

A união entre criptomoeda e futebol

Antes de mais nada, vamos falar sobre como esse movimento resultou na união entre esses 2 mundos distintos: a criptomoeda e futebol. O fato é que o futebol é um dos esportes que mais circula dinheiro atualmente — principalmente quando o assunto é a movimentação financeira vinda das transferências dos jogadores nos diversos campeonatos do futebol europeu.

Sabemos que as criptomoedas ainda não estão fazendo parte desse processo com uma grande expressividade, mas já estão começando a ocupar o seu espaço. Por exemplo, clubes grandes (como o Real Madrid) já as aceitam como forma de pagamento em alguns de seus serviços, tal como nas visitas guiadas em seu estádio.

Além disso, podemos citar o futebol turco, em que alguns clubes chegaram até a comprar atleta com o uso de criptomoedas. Também há alguns clubes que criaram as suas próprias moedas virtuais. Vamos falar sobre isso no próximo tópico.

Tudo isso vem chamando a atenção de muitos cartolas do mundo todo, que já começam a pensar na utilização das criptomoedas para as principais atividades dos seus clubes. Afinal, já reconhecem que as criptomoedas são grandes aliadas.

A utilização das criptomoedas pelos clubes de futebol

Para ficar mais claro o cenário atual, vamos listar alguns exemplos da utilização das criptomoedas por alguns clubes e órgãos do futebol nacional e mundial. Veja abaixo como a união desses 2 mundos está mais avançada do que você imagina.

Bragantino

Vamos começar com um exemplo brasileiro: o clube Bragantino, do interior de São Paulo. O time de futebol chegou a fechar contrato com 2 patrocinadores utilizando criptomoedas — algo inédito no futebol brasileiro e que é muito bem-visto atualmente.

Esse fato mostrou que é possível, sim, criar um vínculo forte entre as criptomoedas e as atividades financeiras de um clube de futebol.

Corinthians e Atlético Paranaense

O próximo exemplo brasileiro diz respeito a dois grandes clubes: o Corinthians e o Atlético Paranaense. No caso, a parceria que o clube paulista e o paranaense firmaram com uma empresa de Hong Kong (que trabalha com criptomoedas) para a realização do pagamento de contas dos clubes por meio das moedas digitais.

Dentre as responsabilidades dessa parceria, destacamos o pagamento de salários de funcionários de ambos os clubes.

Avaí

Continuamos no futebol brasileiro. Agora, damos destaque para a parceria que o Avaí, clube catarinense, firmou para realizar uma ICO — que, basicamente, é o levantamento de investimento para criar uma criptomoeda — de mais ou menos 20 milhões de dólares, para arrecadar fundos em prol dos projetos do clube.

Dentro esses projetos, destaca-se a volta para a série A do campeonato brasileiro. Com a compra da criptomoeda, os adquirentes terão prioridade em comprar ingressos e outras experiências oferecidas Avaí.

Juventus e Paris Saint-Germain

Agora vamos dar um pulo na Europa. Os protagonistas da história são a Juventus, da Itália, e o Paris Saint-Germain, da França — que estão investindo na mesma ideia do Avaí, criando as suas próprias criptomoedas.

Essas moedas digitais, além de serem ativos financeiros para os seus usuários, oferecerão benefícios diferenciados para os torcedores, tal como a compra de uniformes, a participação de eventos com jogadores dos clubes, além de poder comparecer em partidas oficiais.

UEFA

Na Europa, não são somente os clubes que estão começando a surfar na onda das criptomoedas. A UEFA, a Confederação Europeia de Futebol, fez um teste em 2018 utilizando um aplicativo baseado no blockchain.

Na ocasião, esse aplicativo foi utilizado para vender os ingressos da partida Real Madrid x Atlético de Madrid. A confederação destacou que o teste foi um sucesso, o que indica que esse ano pode haver uma continuação do projeto.

Atlético Mineiro

Por fim, trazemos aqui um dos principais exemplos do futebol brasileiro. Estamos falando do Atlético Mineiro, que lançou a primeira criptomoeda do futebol brasileiro: o GaloCoin. A ideia é que os torcedores possam investir no clube e alavancar o seu programa de sócios.

Dessa maneira, terão prioridade para comprarem ingressos para partidas, bem como adquirir outros serviços e acessórios oferecidos em suas lojas, tal como camisas e uniformes de todas as suas equipes.

Os motivos de investir em criptomoeda e futebol

Tudo indica que, cada vez mais, as criptomoedas vão fazer parte do mundo do futebol, principalmente no que diz respeito a trazer inovação para esse universo, que é tido como arcaico por muitos.

Já não é de hoje que o futebol demonstra sinais de que precisa se reinventar na sua parte administrativa e investir em tecnologia — e encontrar maneiras de tornar a sua operação financeira mais eficiente é um dos desafios, visto que é uma atividade que movimenta uma quantidade grande de dinheiro.

Por isso, preparamos uma pequena lista com alguns dos motivos que dizem valer a pena o investimento nesse mercado:

  • adesão de tecnologia para controle de pagamentos;

  • possibilidade de contar com ativos que devem ser valorizados em breve;

  • incentivo ao esporte;

  • possibilidade de adquirir produtos com um custo-benefício melhor do que os métodos convencionais;

  • incentivo à transparência no âmbito da gestão do esporte.

Deu para notar a sinergia que já existe entre criptomoeda e futebol, certo? Por isso, a tendência é que esse movimento só cresça daqui para frente — sendo que quanto mais cedo começar, maiores serão os ganhos no futuro. Então, não perca tempo e comece a pensar na ideia de também fazer parte disso!

Gostou desse post? Então, assine a nossa newsletter para saber de todas as nossas novidades em primeira mão!

Golpe de pirâmides: veja como não cair nessa armadilha!

Apesar de ser um velho truque utilizado por muita gente, o golpe de pirâmides ainda pega muitas pessoas, infelizmente. Com promessa de dinheiro fácil sem muito esforço, dá para entender por que o esquema se mostra atraente ainda que os resultados não sejam exatamente garantidos.

O esquema consiste basicamente em receber convites virtuais ou de conhecidos para participar de algum modelo de negócio, no qual você não precisa vender nenhum produto ou serviço, mas fazer um investimento inicial e, depois disso, continuar convidando pessoas para entrar no negócio. Esse modelo cria justamente a configuração de uma pirâmide e acaba por nomear o esquema, uma vez que, quem está no topo, sempre precisa de mais pessoas para alimentar a base e continuar o ciclo.

Acontece que os retornos prometidos dificilmente aparecem e a pessoa que entrou se vê condicionada a conseguir mais pessoas para alimentar a pirâmide e, assim, recuperar o dinheiro. Para fugir de situações como essa, listamos algumas dicas para não cair nessa armadilha. Vamos lá?

Promessa de recompensas grandiosas

A principal característica de um esquema de pirâmide é a promessa de recompensas grandiosas sem muito esforço. Se o convite para o negócio vier acompanhado da garantia de que você recuperará o dinheiro rapidamente, sem ter que se preocupar com o trabalho em si, desconfie. A frase famosa no mundo dos negócios se aplica nesse caso: não existe almoço grátis.

Qualquer proposta diferente disso deve ser cuidadosamente analisada para garantir que ela não se torne, na verdade, uma verdadeira dor de cabeça.

Rentabilidade que encanta

Como isca para atrair as pessoas que farão parte da base da pirâmide financeira, a rentabilidade prometida para o investimento pode encantar e fazer com que qualquer pessoa seja enganada. Ainda que esse atrativo faça você pensar duas vezes sobre o assunto, tenha em mente que dificilmente o esquema entrega o prometido: ou seja, as taxas de rendimento propostas são, efetivamente, impraticáveis e acabam por deixar o investidor na mão.  

Retornos acima do mercado

Em um golpe de pirâmides, os retornos prometidos, como dito anteriormente, são acima do mercado. Geralmente, a diferença é significativa, fazendo com que as pessoas sejam levadas a entrar no esquema em busca de maiores rendimentos. Por esse motivo, se o negócio tem as características mencionadas acima e ainda apresenta retornos discrepantes, pode ser que você esteja diante de uma pirâmide.

Não ser regulado por nenhuma instituição

Outro fator que pode ajudar na identificação desse tipo de esquema é a falta de regulamentação. Por se tratar de um golpe e um crime reconhecido pelo Ministério Público Federal (MPF), naturalmente não existe nenhuma instituição que possa regular todo o processo envolvido na armadilha de conseguir dinheiro fácil sem muito esforço.

Por isso, na falta de qualquer regulamentação, é importante estar atento aos perigos que a proposta oferece e ao fato de que não existirá ninguém para dar suporte caso a coisa toda dê errado.

Empresa só existir no papel

Empresas que só existem no papel é outro indicador que deve levantar suspeitas logo no início. O fato da empresa não ter uma base física ou algum escritório pode ser outro agravante para que, caso o esquema dê errado, as chances de procurar um responsável ou alguma forma de reaver o dinheiro sejam reduzidas. 

Entendeu como funciona o golpe de pirâmides? Fique sempre atento para fugir dessa armadilha e evitar possíveis prejuízos que esse esquema pode trazer para seu orçamento. 

Se você se preocupa com sua segurança financeira, confira também nosso artigo sobre como conseguir guardar seu suado dinheiro, e depois procure investimentos lícitos e regulamentados para conseguir otimizar seus rendimentos!

Como aumentar meu limite operacional na conta da BitcoinTrade?

Olá traders!

Hoje vamos ensinar, de forma bastante simples, como aumentar os limites operacionais na BitcoinTrade. Isso será fundamental se você for um trader experiente e quiser movimentar volumes maiores de reais e criptomoedas!

O passo a passo é, como sempre, muito simples. Vamos lá:

1 – Na barra superior, existe uma opção “Limites Operacionais“. É ali que você deve clicar sempre que houver qualquer dúvida ou solicitação em relação a esse assunto;

2 – Na próxima tela, você terá um resumo do seu limite atual, tanto em reais quanto em criptomoedas. Nossos limites são variáveis, de acordo com as informações que o cliente nos passam:

  • A primeira faixa é destinada aos usuários que não enviaram documentação. Para esses clientes, o limite semanal é de R$10.000 em reais e Zero em criptomoedas. Isso quer dizer que este cliente poderá operar com até 10 mil reais por semana, comprando e vendendo Bitcoin (e outras criptomoedas) sem retirar as moedas da plataforma. Para usuários iniciantes que estão interessados em fazer trades diários ou “holdar” uma pequena quantia de Bitcoins (em valores equivalentes a até R$ 10.000 por semana), isso é mais do que suficiente;
  • O segundo nível de limites é para os clientes que nos enviam a documentação básica: Identidade ou Habilitação, Comprovante de residência e selfie com o documento. Este cliente, quando aprovado, tem um limite de R$ 75.000 semanais (em reais) e 7,5 Bitcoins, para enviar para qualquer carteira de destino. Essa faixa comporta tranquilamente a maioria dos clientes intermediários pois permite grandes movimentações internas e externas;
  • O próximo nível é para clientes profissionais, que desejam operar valores maiores. Não existe um limite pré-estabelecido. Para este nível, pedimos comprovações bancárias, fiscais e tributárias, como saldo em aplicações financeiras, declarações de Imposto de Renda, contratos sociais de empresas em que o cliente é sócio, entre outros;

3 – Se você não enviou nenhum documento e deseja aumentar o seu limite operacional, clique na opção “Enviar Documentos“, localizada no canto direito da tela. Em seguida, forneça um documento de identificação (Carteira de Motorista ou Identidade) e clique em “Continuar”;

4 – Em seguida, forneça seu comprovante de residência e uma selfie segurando o documento já enviado anteriormente. Em pouco tempo, nossa equipe irá avaliar sua documentação e se você for aprovado, já poderá comprar e vender suas criptomoedas dentro dos novos limites;

5 – Se você já nos enviou a documentação básica (identidade e comprovante) e deseja aumentar, o caminho é o mesmo. Clique na opção “Enviar Documentos” e forneça as informações pedidas. Explique o motivo da solicitação e qual o montante que você deseja operar semanalmente;


6 – Na próxima tela, anexe sua declaração de imposto de renda e os seus 3 últimos extratos bancários. Com essas informações, a BitcoinTrade irá avaliar a possibilidade de fornecer um limite mais alto;

Pronto! Para os 2 níveis de aprovação, o tempo máximo de resposta é de 48h, mas na prática a gente responde bem mais rápido do que isso. 

Se ficar com alguma dúvida, procura a gente nos nossos canais oficiais:

E-mail: suporte@bitcointrade.com.br

Facebook: facebook.com/bitcointradebr

Instagram: instagram.com/bitcointradebr

Bons trades!

Como depositar reais na sua conta da BitcoinTrade?

Olá pessoal, tudo bem?

No post de hoje, vamos falar sobre uma tarefa muito simples, mas muito importante: Como depositar reais na sua conta da BitcoinTrade?

Para comprar Bitcoins, o primeiro passo é você realizar o depósito da sua conta bancária para a conta da BitcoinTrade. Quando o depósito for confirmado, você já poderá usar seu saldo para comprar Bitcoin ou outra criptomoeda.

A imensa maioria dos nossos depósitos (+ de 95%) são reconhecidos e confirmados em menos de uma hora, depois que a compensação bancária acontece. Isso vale, inclusive, aos fins de semana e feriados para os bancos conveniados, que são: Bradesco, Banco do Brasil, Banrisul, Santander e Itaú.

Vamos ao passo à passo:

1 – Acesse o site da BitcoinTrade e clique em “Depósitos”, opção que fica na barra lateral esquerda da plataforma

2 – Agora, clique no botão azul localizado no canto superior direito “Depositar reais”

3 – A tela abaixo irá aparecer. Escolha qual é o banco de origem do depósito, ou seja, qual é o seu banco.

4 – Caso o seu banco seja Bradesco, Branco do Brasil, Banrisul, Santander ou Itaú, o método de depósito será “Transferência entre contas do mesmo banco“, pois esses são os bancos onde a BitcoinTrade tem contas. Se o seu banco for outro, clique em “Outro” e escolha uma das opções “TED” ou “DOC”.

6 – Para os bancos Banco do Brasil e Itaú, você deve informar também sua agência e conta. Isso irá agilizar ainda mais o processo de identificação e aprovação do depósito.

7 – Escolha o valor desejado para depósito e clique no botão azul “Continuar

8 – Na tela seguinte, você verá os detalhes do depósito, com a conta de destino na BitcoinTrade, o valor que você escolheu e uma caixa de confirmação. Marque a caixa e clique em “Enviar intenção de depósito

9 – Quando a intenção de depósito for enviada, você verá a confirmação. Agora, você pode anexar o comprovante bancário da sua transação. Se você ainda não fez a transação (transferência entre contas, TED ou DOC), não tem problema: a qualquer momento, você pode ver novamente as instruções clicando no ícone de três pontos na lista de depósitos.

Pronto! O processo inteiro é muito simples e você não deve demorar mais do que 5 minutos para concluí-lo. Depois de anexar o comprovante, seu depósito será rapidamente aprovado

Se surgir alguma dúvida, por favor entre em contato através dos nossos canais oficiais:

E-mail: suporte@bitcointrade.com.br

Facebook: facebook.com/bitcointradebr

Instagram: instagram.com/bitcointradebr

Entenda o mercado de criptomoeda e futebol!

Será que criptomoeda e futebol combinam? Pode até parecer mentira, mas assim como outros setores, o mercado de futebol também já adotou as moedas virtuais como forma de pagamento e, em muitos casos, até na criação de novas criptomoedas com foco no esporte.

Apesar de sabermos de todo o seu crescimento, não podemos deixar de notar que esse é um grande avanço, o que mostra que as moedas virtuais podem se encaixar em qualquer setor, não somente no mercado financeiro.

Por isso, no post de hoje, vamos falar um pouco mais dessa sinergia com o setor futebolístico. Continue acompanhando a leitura para entender melhor sobre o cenário atual, bem como o futuro desse mercado.

A união entre criptomoeda e futebol

Antes de mais nada, vamos falar sobre como esse movimento resultou na união entre esses 2 mundos distintos: a criptomoeda e futebol. O fato é que o futebol é um dos esportes que mais circula dinheiro atualmente — principalmente quando o assunto é a movimentação financeira vinda das transferências dos jogadores nos diversos campeonatos do futebol europeu.

Sabemos que as criptomoedas ainda não estão fazendo parte desse processo com uma grande expressividade, mas já estão começando a ocupar o seu espaço. Por exemplo, clubes grandes (como o Real Madrid) já as aceitam como forma de pagamento em alguns de seus serviços, tal como nas visitas guiadas em seu estádio.

Além disso, podemos citar o futebol turco, em que alguns clubes chegaram até a comprar atleta com o uso de criptomoedas. Também há alguns clubes que criaram as suas próprias moedas virtuais. Vamos falar sobre isso no próximo tópico.

Tudo isso vem chamando a atenção de muitos cartolas do mundo todo, que já começam a pensar na utilização das criptomoedas para as principais atividades dos seus clubes. Afinal, já reconhecem que as criptomoedas são grandes aliadas.

A utilização das criptomoedas pelos clubes de futebol

Para ficar mais claro o cenário atual, vamos listar alguns exemplos da utilização das criptomoedas por alguns clubes e órgãos do futebol nacional e mundial. Veja abaixo como a união desses 2 mundos está mais avançada do que você imagina.

Bragantino

Vamos começar com um exemplo brasileiro: o clube Bragantino, do interior de São Paulo. O time de futebol chegou a fechar contrato com 2 patrocinadores utilizando criptomoedas — algo inédito no futebol brasileiro e que é muito bem-visto atualmente.

Esse fato mostrou que é possível, sim, criar um vínculo forte entre as criptomoedas e as atividades financeiras de um clube de futebol.

Corinthians e Atlético Paranaense

O próximo exemplo brasileiro diz respeito a dois grandes clubes: o Corinthians e o Atlético Paranaense. No caso, a parceria que o clube paulista e o paranaense firmaram com uma empresa de Hong Kong (que trabalha com criptomoedas) para a realização do pagamento de contas dos clubes por meio das moedas digitais.

Dentre as responsabilidades dessa parceria, destacamos o pagamento de salários de funcionários de ambos os clubes.

Avaí

Continuamos no futebol brasileiro. Agora, damos destaque para a parceria que o Avaí, clube catarinense, firmou para realizar uma ICO — que, basicamente, é o levantamento de investimento para criar uma criptomoeda — de mais ou menos 20 milhões de dólares, para arrecadar fundos em prol dos projetos do clube.

Dentro esses projetos, destaca-se a volta para a série A do campeonato brasileiro. Com a compra da criptomoeda, os adquirentes terão prioridade em comprar ingressos e outras experiências oferecidas Avaí.

Juventus e Paris Saint-Germain

Agora vamos dar um pulo na Europa. Os protagonistas da história são a Juventus, da Itália, e o Paris Saint-Germain, da França — que estão investindo na mesma ideia do Avaí, criando as suas próprias criptomoedas.

Essas moedas digitais, além de serem ativos financeiros para os seus usuários, oferecerão benefícios diferenciados para os torcedores, tal como a compra de uniformes, a participação de eventos com jogadores dos clubes, além de poder comparecer em partidas oficiais.

UEFA

Na Europa, não são somente os clubes que estão começando a surfar na onda das criptomoedas. A UEFA, a Confederação Europeia de Futebol, fez um teste em 2018 utilizando um aplicativo baseado no blockchain.

Na ocasião, esse aplicativo foi utilizado para vender os ingressos da partida Real Madrid x Atlético de Madrid. A confederação destacou que o teste foi um sucesso, o que indica que esse ano pode haver uma continuação do projeto.

Atlético Mineiro

Por fim, trazemos aqui um dos principais exemplos do futebol brasileiro. Estamos falando do Atlético Mineiro, que lançou a primeira criptomoeda do futebol brasileiro: o GaloCoin. A ideia é que os torcedores possam investir no clube e alavancar o seu programa de sócios.

Dessa maneira, terão prioridade para comprarem ingressos para partidas, bem como adquirir outros serviços e acessórios oferecidos em suas lojas, tal como camisas e uniformes de todas as suas equipes.

Os motivos de investir em criptomoeda e futebol

Tudo indica que, cada vez mais, as criptomoedas vão fazer parte do mundo do futebol, principalmente no que diz respeito a trazer inovação para esse universo, que é tido como arcaico por muitos.

Já não é de hoje que o futebol demonstra sinais de que precisa se reinventar na sua parte administrativa e investir em tecnologia — e encontrar maneiras de tornar a sua operação financeira mais eficiente é um dos desafios, visto que é uma atividade que movimenta uma quantidade grande de dinheiro.

Por isso, preparamos uma pequena lista com alguns dos motivos que dizem valer a pena o investimento nesse mercado:

  • adesão de tecnologia para controle de pagamentos;

  • possibilidade de contar com ativos que devem ser valorizados em breve;

  • incentivo ao esporte;

  • possibilidade de adquirir produtos com um custo-benefício melhor do que os métodos convencionais;

  • incentivo à transparência no âmbito da gestão do esporte.

Deu para notar a sinergia que já existe entre criptomoeda e futebol, certo? Por isso, a tendência é que esse movimento só cresça daqui para frente — sendo que quanto mais cedo começar, maiores serão os ganhos no futuro. Então, não perca tempo e comece a pensar na ideia de também fazer parte disso!

Gostou desse post? Então, assine a nossa newsletter para saber de todas as nossas novidades em primeira mão!

Bitcoin é seguro? Conheça 6 vantagens de investir na moeda

A inovação trazida pela tecnologia das criptomoedas tem ganhado espaço atualmente, estabelecendo novos mecanismos de pagamento e uma maneira diferente de enxergar o mercado investidor. Mas a grande dúvida de quem está conhecendo esse cenário é: o Bitcoin é seguro?

Por ser uma moeda descentralizada, ou seja, que não é controlada por nenhum governo ou instituição, o Bitcoin ainda sofre muito com os efeitos de notícias negativas vinculadas a ele. Especialmente quando comparado com moedas tradicionais, mesmo sabendo que essa comparação é impossível, uma vez que as criptomoedas têm características e particularidades próprias.

Pensando nisso, desenvolvemos este artigo completo sobre Bitcoin e criptomoedas. Nele, você vai ter acesso a informações importantes que vão desde o histórico da moeda digital, até dados sobre segurança, investimento e tendências de mercado. Ficou curioso? Continue a leitura e confira!

O que é Bitcoin?

Mas afinal, será que você realmente sabe o que é o Bitcoin? Em que consiste essa tecnologia e de que forma ela é utilizada na rotina dos investidores e nas relações de consumo?

O Bitcoin é uma moeda virtual que pode ser usada como forma de pagamento. Ela existe exclusivamente na internet e as suas transações são feitas online, em um ambiente criptografado. Inclusive, a criptografia é o ponto-chave que demonstra a segurança do Bitcoin.

Apesar de não ser reconhecido oficialmente, e de não poder ser utilizado para pagar impostos ou quitar dívidas, o Bitcoin já é aceito como meio de pagamento em milhares de estabelecimentos. Além disso, a moeda já é vista como forma de investimento, inclusive com cotação na bolsa de valores.

Mas qual será a história por trás dessa moeda? Quem inventou essa tecnologia? Será que ela realmente representa uma mudança na forma como nos relacionamos com o dinheiro? Confira abaixo.

Como surgiu o Bitcoin?

O Bitcoin foi criado em 2008, por uma pessoa com pseudônimo de Satoshi Nakamoto. Até hoje ninguém sabe qual é o rosto que realmente criou a criptomoeda. Portanto, embora existam algumas especulações, o criador segue desconhecido.

Ainda que tenha sido criada em 2008, foi só em 2013 que a moeda estourou, tornando-se conhecida pela população e chamando a atenção de investidores. Em 2010, o Bitcoin foi utilizado para sua primeira transação, quando um programador da Flórida, nos Estados Unidos, usou cerca de 10.000 moedas virtuais para comprar uma pizza de US$ 30.

Em 2013, o valor do Bitcoin saltou de US$ 125 para US$ 1.200, fazendo com que o mundo voltasse os olhos para aquele que estava sendo chamado de “dinheiro do futuro”.

No ano seguinte, em 2014, a gigante Microsoft começou a aceitar pagamentos em moedas virtuais para a compra de produtos digitais, aumentando a especulação e a valorização do Bitcoin.

Também no início de 2014, o maior operador de Bitcoin do mundo sofreu um ataque ‘hacker’, fechando sua operação e dando um prejuízo de mais de 750 mil criptomoedas aos seus membros.

Esse ataque fez com que a moeda perdesse mais da metade de seu valor de mercado. Após isso, ela se recuperou, ganhou prestígio e segue sendo disseminada e valorizada.

Por fim, destaca-se que a máxima histórica de cotação do Bitcoin foi de US$ 19.551, valor atingido em 17 de dezembro de 2017.

O Bitcoin é seguro?

Um dos temas centrais envolvendo o debate sobre moedas digitais diz respeito à sua segurança. Por isso, a preocupação dos investidores está diretamente relacionada à rentabilidade e à garantia de que seus investimentos não serão perdidos ou mal aproveitados.

O mercado de criptomoedas ainda gera muita desconfiança nos investidores, especialmente naqueles que não têm conhecimento sobre o universo da tecnologia, do Blockchain e da criptografia. 

Esse desconforto é compreensível, já que é fácil entender porque as pessoas desconfiam de um mercado que surgiu aparentemente do nada e não tem nenhuma regulação ou órgão responsável.

Mas para entendermos melhor sobre a segurança do sistema do Bitcoin, temos que falar sobre o Blockchain, que nada mais é do que uma cadeia de blocos de informações que compila as transações de forma criptografada.

Cada bloco de informação tem a sua própria assinatura, fazendo com que a ligação entre eles seja extremamente segura. Para acessar um bloco, é necessário decifrar seu algoritmo e o algoritmo do bloco anterior, que precisaria do algoritmo antecedente e por aí vai. Portanto, podemos dizer que o sistema do Bitcoin é seguro!

Existem riscos ao investir em Bitcoin?

Sim, muito embora os protocolos de transação do Bitcoin se destaquem com relação às demais criptomoedas, tendo estabelecido o seu nome como um jargão conhecido para denominar um grupo de várias outras moedas virtuais, o Bitcoin também apresenta fraquezas e riscos.

A primeira fraqueza, que em alguns aspectos também pode ser vista como uma força, é a ausência de uma centralização. Como não existe nenhum órgão ou entidade responsável pelo controle dessas moedas, elas ficam à mercê de um grupo de pessoas que atua nas negociações, o que pode vir a gerar uma certa instabilidade.

Nesse sentido, a falta de regras e legislações específicas a respeito do Bitcoin deixa o ambiente de negociação mais inseguro, aumentando o risco do investimento. Embora tudo funcione muito bem, em algumas situações, pode ser arriscado não ter nenhuma lei ou norma regulamentando a atividade.

Outro aspecto que é considerado um risco são as mudanças drásticas que podem acontecer na valorização e na oferta do produto. Hoje, a lei de oferta e procura é o único fator que determina o valor do Bitcoin, isso acaba gerando uma oscilação muito grande da moeda, que pode sofrer desvalorizações significativas de um dia para o outro. 

Até hoje não foi registrado nenhum ataque significativo ao sistema propriamente dito, já que uma ocorrência desse tipo causaria danos a milhões de usuários e investidores. Contudo, não é possível descartar essa hipótese, até porque, quanto mais a moeda se populariza e se valoriza, mais ela chama a atenção de hackers e de pessoas mal-intencionadas.

Por fim, outro aspecto que pode representar um risco, especialmente a longo prazo, é o surgimento e a valorização de outras moedas virtuais. O Bitcoin é a primeira e mais promissora das criptomoedas, mas anualmente surgem inúmeras outras opções, com características e diferenciais em relação à moeda primária.

Isso pode influenciar o Bitcoin, que ao longo do tempo poderá cair em desuso e ser substituído por outra moeda, com uma tecnologia mais rentável e que atraia o interesse de um número maior de investidores.

Todas essas novas moedas têm um potencial alto e surgem com o mesmo perfil especulativo do Bitcoin. Assim, elas podem interferir no valor e no futuro desse mercado.

Quais são as vantagens de investir em Bitcoin?

1. Tem tendência à valorização

A quantidade de Bitcoins existentes é controlada pelo protocolo do sistema. Isso significa que existe um limite máximo para mineração da criptomoeda. Por ter um caráter limitado e depender da disponibilidade de moeda no mercado, o Bitcoin é um investimento que tende a valorizar ao longo do tempo.

Além disso, a sua popularização acaba influenciando a demanda de procura, aumentando, consequentemente, a oferta e valorizando a moeda.

2. É menos burocrático

Para comprar Bitcoins não é necessário fornecer mil documentos e esperar por processos de confirmação de dados demorados. O cadastro em uma corretora geralmente é confirmado no mesmo dia, e só é preciso enviar a identidade e o comprovante de residência.

Mas é importante ficar atento, não negocie sua criptomoeda em qualquer trade, busque empresas sérias e reconhecidas no mercado e faça uma pesquisa antes de fornecer seus dados para a plataforma. Além disso, lembre-se de que os seus Bitcoins devem ser armazenados em uma carteira específica, destinada às criptomoedas.

As carteiras também devem ser seguras, garantindo que você não vai sofrer ataques de hackers.

3. Tem aceitação global

O Bitcoin é uma moeda global, por isso, quase todos os países já aceitam a moeda virtual como pagamento para transações no dia a dia. A criptomoeda pode ser utilizada sem burocracia e bloqueio de fronteiras do mercado internacional. A sua grande vantagem é a ausência de tarifas de conversão, já que o seu valor é o mesmo em todos os países.

Além disso, em alguns locais, é possível encontrar caixas eletrônicos (ATMs) que permitem o saque de Bitcoins em dinheiro. Esses caixas estão espalhados por 75 países, incluindo Brasil, Estados Unidos, Canadá e França.

4. Não pode ser congelado

Por não ser controlado por nenhum governo e nem ser regulamentado por um Banco Central, o Bitcoin não pode ser embargado e sofrer sobretaxas e impostos, como ocorre com algumas moedas. Assim, a criptomoeda lhe dá liberdade para utilizá-la da melhor maneira possível.

Como falamos, a descentralização é uma moeda de dois lados, se por um lado parece trazer insegurança, por outro apresenta uma vantagem interessante em termos de cobranças de taxas e impostos.

5. Existe muita informação disponível

Apesar de existir a poucos anos e de ser uma incógnita até pouco tempo, existem inúmeros sites e blogs de finanças especializados nesse tipo de tecnologia.

As informações sobre Bitcoins já estão disseminadas e é possível encontrar várias empresas que incentivam o investimento e até facilitam o acesso dos usuários interessados em comprar a moeda digital.

Além disso, podemos achar inúmeros fóruns nos quais os investidores e os usuários discutem e trocam informações a respeito do mercado e das tendências envolvendo a moeda.

6. As taxas são menores

As transações realizadas com moedas virtuais têm um custo mais baixo do que aquelas que necessitam da intermediação de bancos, agências financeiras ou operadoras de cartão de crédito.

O usuário deve realizar o pagamento de uma taxa aos mineradores quando for efetuar uma remessa de Bitcoins, porém, o custo dessa taxa é variável. Diferentemente do dinheiro convencional, a criptomoeda não está sujeita à cobrança de taxas cambiais, IOF e outros custos.

Quais são as principais dicas de investimento?

Estude

Quando se fala em investir em Bitcoins, podemos encontrar histórias de sucesso e de completo fracasso. Para minimizar o risco do investimento e não fazer parte do percentual de pessoas que falharam em suas aplicações, é necessário estudar. Certifique-se de entender a complexidade das moedas virtuais antes de investir seu dinheiro.

Para isso, busque informações em diferentes meios e converse com usuários que atuam nesse mercado. Eles têm experiência e dicas importantes para quem está começando a comprar e vender.

Tenha cautela

Por ser um investimento volátil, o Bitcoin oferece maiores riscos para investidores novatos. Não invista dinheiro que não pode perder e aposte em estratégias de investimento cautelosas, sabendo que elas podem gerar grandes resultados.

Assim como qualquer investimento, o Bitcoin oferece riscos, por isso, a cautela vai ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso do seu investimento.

Mantenha o seu dinheiro fora das casas de câmbio

Ainda ocorrem alguns roubos e pirataria no ambiente cripto. Muitos usuários foram seriamente afetados em ataques a casas de câmbio. Por isso, recomendamos que suas moedas não sejam mantidas nelas. A melhor forma de proteger seus Bitcoins é mantê-los em uma carteira de hardware, na qual somente você tem o controle. 

O interesse das pessoas pelas moedas digitais está crescendo, mas entrar nesse mundo ainda pode ser amedrontador. Felizmente, hoje nós podemos encontrar informações suficientes para investir com segurança! 

Se você quer se tornar um investidor de sucesso, lembre-se de pesquisar sobre o mercado, fazer backups dos seus dados regularmente e buscar a assessoria e o apoio de exchanges descentralizadas. Com isso, você poderá ter resultados satisfatórios, conhecendo a moeda e sabendo como realizar uma troca segura.

Neste artigo, você descobriu um pouco da história do Bitcoin e 6 vantagens em investir em uma moeda virtual. Além disso, agora você sabe o quanto o Bitcoin é seguro e está preparado com as nossas dicas sobre investimentos em criptomoedas.

Agora que você já entende mais sobre o Bitcoin, que tal começar a investir? Entre em contato com a Bitcointrade e descubra como podemos ajudá-lo a se tornar um investidor 4.0.

Aprenda como fazer a escolha de uma wallet de Bitcoins

Você já ouviu falar da wallet de Bitcoins? Sabe qual é a sua importância e funcionalidade na rotina daqueles que investem em moedas virtuais?

As carteiras de Bitocins, também chamadas de Bitcoin wallets, têm a mesma função que as carteiras que conhecemos: guardar dinheiro. Porém, diferente daquela que você leva no bolso (ou na bolsa), a wallet pode ser totalmente virtual e serve apenas para guardar criptomoedas.

Neste artigo especial, você vai entender como funciona esse tipo de carteira, quais são seus principais tipos e características, além de aprender a escolher a melhor opção de acordo com as suas necessidades.

Ficou curioso? Então, continue a leitura deste post e descubra!

O que é uma wallet de Bitcoins

A função das carteiras — chamadas de wallets — é armazenar as moedas virtuais de modo que o seu proprietário possa utilizá-las quando for do seu interesse.

Entretanto, além da sua função de guardar moedas virtuais, algumas carteiras também permitem que sejam feitas operações financeiras, como, por exemplo, venda de Bitcoins.

É importante destacar que, tecnicamente, o usuário não precisa armazenar moedas virtuais em nenhum lugar. Na prática, o armazenamento é feito pelas chamadas chaves criptografadas, que são as informações utilizadas para acessar endereços de Bitcoins e assinar respectivas transações.

De forma geral, essas ferramentas são desenvolvidas por empresas que atendem desde usuários compradores de Bitcoins a corporações que atuam no setor de moedas virtuais.

Quando as criptomoedas foram desenvolvidas, o número de carteiras era muito pequeno. No entanto, o mercado passou a ficar mais versátil, oferecendo soluções que foram desenvolvidas com base no crescimento e na disseminação das moedas e na ampliação das necessidades dos usuários e investidores.

Hoje, já é possível encontrar diversos tipos de wallets — cada um com características e particularidades próprias —, que são oferecidos por empresas variadas. O investidor deve conhecer esses tipos de carteiras para avaliar qual atende melhor às suas necessidades.

Tipos de wallet de Bitcoins

Você sabia que existem diversos tipos de wallets e que cada um conta com características e funções distintas? A seguir, confira que tipos são esses.

Wallet desktop

É uma carteira instalada no computador, o que permite que as chaves privadas sejam armazenadas no disco rígido do dispositivo. Esse tipo está entre os mais seguros do mercado, tendo em vista o baixo risco de invasão e vazamento das informações para terceiros.

Wallet hardware

A carteira funciona como um pendrive em que o investidor pode armazenar as suas chaves. Isso faz dela uma carteira física, já que conta com um dispositivo específico para armazenamento.

A grande vantagem da wallet hardware é que ela não pode ser acessada via rede, o que a torna imune aos vírus.

Wallet mobile

É a carteira favorita da maioria dos usuários. Aplicativos de wallets para smartphones são alternativas práticas, especialmente para quem movimenta suas criptomoedas com frequência.

Nos aplicativos, o programa armazena as chaves privadas, permitindo transações por meio da leitura de QR Code. Todavia, é importante que o usuário fique atento. Caso perca o aparelho, o investidor perde também seus Bitcoins.

Se o usuário tem valores muito altos, essa pode não ser a opção mais interessante. Além disso, é recomendado que o investidor mantenha nesse tipo de carteira apenas os valores que serão utilizados no seu dia a dia.

Wallet papel

Muitos investidores sequer sabem da existência da wallet de papel, mas é completamente possível optar por uma carteira de papel. Essa ainda é a maneira mais segura de manter as chaves privadas longe do ataque de hackers.

A carteira de papel nada mais é do que um documento físico que contém as chaves pública e privada impressas em formato de QR Code.

Wallet web

Também conhecida como e-wallet, ela permite o armazenamento de chaves privadas em um servidor conectado à internet, possibilitando o acesso em diversos dispositivos, inclusive smartphones.

É uma modalidade muito prática para o investidor. No entanto, ao optar por ter uma carteira no servidor de uma empresa terceira, o usuário corre o risco de sofrer as consequências em caso de falhas de segurança que independem da sua vontade.

 

Como escolher uma wallet de Bitcoins

Quer saber como escolher uma wallet de Bitcoins e começar a guardar suas moedas virtuais de forma segura? Então, confira as nossas dicas a seguir:

  • avalie o tipo de wallet que melhor se adapta ao seu perfil e às suas necessidades;
  • ao definir a senha da sua carteira, opte por um código mais complexo, o que trará mais segurança para as informações;
  • opte por carteiras oferecidas por empresas de confiança. Para isso, pesquise o mercado e peça indicação de outros investidores;
  • opte por carteiras desenvolvidas por empresas que disponibilizam todo o código-fonte da carteira. Isso permite que qualquer pessoa reveja o código e saiba o que será executado na carteira;
  • escolha carteiras que tenham acesso às suas chaves. Normalmente, as chaves contêm 12 palavras aleatórias e devem ser registradas em formato físico e armazenadas em um local seguro para consultas futuras;
  • caso você tenha grandes quantias, opte pelas carteiras baseadas em hardwares, uma vez que qualquer dispositivo conectado à internet está suscetível ao ataque de hackers.

Lembre-se de que uma wallet é como uma carteira física. Por isso, é importante escolher uma que esteja de acordo com as suas necessidades, sempre prezando pela segurança da carteira.

É importante estar ciente de que se você perder a sua wallet, pode perder todo o dinheiro que está guardado nela. Portanto, estude bastante para fazer a escolha certa.

Gostou deste post sobre wallet de Bitcoins? Quer continuar a ler conteúdos sobre o mercado das criptomoedas? Então, aprofunde o seu conhecimento e leia nosso artigo “Entenda como investir em criptomoedas“.