Quando falamos em moedas virtuais, o Bitcoin é de longe a mais lembrada. Mas você sabia que esse não é o único tipo de moeda virtual? Altcoin é o nome dado às criptomoedas alternativas ao Bitcoin – e existem várias que têm apresentado um rendimento interessante e chamado a atenção dos investidores.

Se você está pensando em investir em altcoin, mas ainda não conhece muito bem essa possibilidade ou quer entender melhor suas vantagens, continue a leitura e veja as informações importantes que separamos!

O que é altcoin?

Como o próprio nome indica, altcoin são moedas virtuais alternativas ao Bitcoin. Ou seja, todas as criptomoedas que não sejam o Bitcoin são consideradas altcoins.

A primeira altcoin de que se tem notícia surgiu em 2011, chamada de “namecoin”. Ela nasceu como uma bifurcação do código-fonte do Bitcoin. Depois dela, várias outras apareceram, sempre com o objetivo de inovar tanto nas suas características, como nos seus recursos.

Altcoin versus Bitcoin

O Bitcoin só se tornou o que é hoje graças à tecnologia da blockchain. Afinal, foi a partir dela que as transações financeiras se tornaram seguras e que a moeda virtual pôde se desenvolver e alcançar o patamar de valorização que possui atualmente.

Assim como o Bitcoin, as altcoins também usam blocos fundamentais de construção. Sendo que algumas surgiram do processo de fork do Bitcoin, ou seja, a criação de uma nova criptomoeda a partir da atualização do seu código de funcionamento.

As altcoins também incentivam a descentralização e a segurança das informações do mercado financeiro – bases do Bitcoin.

Porém, cada criptomoeda possui regras distintas de política monetária, encorajando usos e tratamentos distintos. Outra diferença que pode ocorrer é em relação à mineração, que pode ter distinções em relação ao processo em si e também à forma de remuneração dos mineradores.

Podemos resumir as diferenças básicas entre altcoin e Bitcoin em:

Altcoin: quais são as mais conhecidas?

Ethereum, Ripple e Litecoin são algumas das altcoins mais conhecidas do mercado.

Atualmente, existem mais de 2 mil altcoins disponíveis no mercado. As que mais se destacam, inclusive pela segurança, são: Ethereum, Litecoin, Anoncoin, Wings, Ripple e outros. Vamos falar um pouco sobre elas.

Ethereum (ETH)

A diferença entre o Ethereum e o Bitcoin é que a primeira é considerada uma plataforma aberta (Open Source), direcionada para a criação e distribuição de aplicações descentralizadas, integradas aos sistemas financeiros, jogos, sistemas sociais etc.

Ou seja, a tecnologia Blockchain usada pela Ethereum vai além de questões financeiras, transformando a maneira de relacionamento com as instituições.

Dentro da plataforma, a moeda usada é o Ether (ETH), uma criptomoeda assim como o Bitcoin. Hoje, ela é considerada a segunda maior criptomoeda por capitalização do mercado, e é uma moeda de segunda geração – e até mesmo não sendo chamada de altcoin por algumas pessoas, graças ao seu tamanho e importância no mercado.

Ela foi lançada em julho de 2015, com mais de 12 milhões de moedas pré-minadas. Até 2018, o ETH registrou um crescimento de 13.000%.

Em 2019, contudo, a moeda registrou uma pequena baixa (algo que ocorreu com outras criptomoedas). Porém, a expectativa dos investidores é muito boa em relação ao ETH, especialmente graças às novidades tecnológicas, como o novo sistema PoW/PoS (Casper) e o novo conceito de Sharding, que podem resolver a questão da escalabilidade e alavancar o preço da moeda nos próximos anos.

Graças a sua valorização e crescimento rápido, o ETH é uma altcoin muito visada e um investimento interessante para quem deseja variar a sua carteira de criptomoedas ou começar a investir no setor com um valor inicial mais baixo.

Ripple (XRP)

Atualmente, o Ripple é a terceira maior moeda por capitalização de mercado, com um preço interessante para quem deseja investir em altcoin.

A diferença do Ripple para as demais criptomoedas é que ela é controlada por uma empresa privada, a Ripple Labs. A companhia trabalha com transações globais de dinheiro e começou a usar a tecnologia blockchain para transferir dinheiro entre os países.

Assim, desde que surgiu, o propósito do Ripple era facilitar a transferência de dinheiro entre as nações. A moeda (tecnicamente chamada de token XRP) nasceu para financiar as taxas de transações entre as instituições financeiras – é por isso que é possível comprar e vender Ripple.

Outra diferença interessante é que o XRP funciona como uma “moeda ponte”. Por exemplo, se o banco não trabalhar com reais (BRL) e francos suíços (CHF), ele poderá converter de BRL para XRP e depois de XRP para CHF.

Como é operado por uma empresa, o blockchain RippleNet é bem escalável (aguenta até 50 mil transações por segundo) e rápido (as transferências são confirmadas, em média, a cada 4 segundos).

Alguns dos principais bancos do mundo, como o Santander e o Bank of America Merrill Lynch, fazem parte do conselho executivo do Ripple – o que fez com que o valor dessa criptomoeda tenha subido bastante.

Litecoin (LTC)

O Litecoin é, atualmente, a quinta criptomoeda por capitalização de mercado. Ela foi desenvolvida por um ex-engenheiro de software do Google quando iniciou seus estudos em criptografia e teve a ideia de desenvolver algo semelhante ao Bitcoin.

Charlie Lee, o criador do LTC, não queria competir com o Bitcoin, mas sim criar uma segunda linha de moeda – e se esforçou muito para que ela ganhasse força, se destacando no mercado das altcoins.

Embora o projeto original do litecoin seja semelhante ao Bitcoin, a moeda alternativa foi projetada para liberar 4 vezes mais unidades, evitando que ela se torne uma opção muito escassa e cara.

Outra diferença está no processo de mineração, que é considerado mais inclusivo, já que é possível usar máquinas com um poder menor de processamento. Isso significa que as transações também são processadas com mais facilidade.

O litecoin tem ganhado espaço entre quem quer investir em altcoin justamente devido a algumas das suas características, como: rapidez nas transferências (o tempo é menor que 3 minutos), quantidade de moedas, facilidade de conversão (liquidez um pouco maior que as demais criptomoedas) e preço (o LTC é mais barato do que outras opções de altcoin).

Quais as vantagens de investir em altcoin?

Entre as vantagens de investir em altcoin está o custo menor, o potencial de valorização, o fato de as opções de mineração serem mais acessíveis e a aceitação do mercado. Veja mais detalhes abaixo.

Apesar de serem moedas alternativas, as altcoins têm conquistado um número cada vez maior de investidores e interessados. Afinal, essas criptomoedas oferecem uma série de vantagens. Veja as principais.

Custo menor

A primeira vantagem de investir em altcoin é o preço de cotação menor dessas moedas virtuais quando comparadas ao Bitcoin. Então, se você não tem um valor muito alto para investir ou deseja variar a sua carteira, essas opções alternativas são bastante interessantes.

Atualmente, a cotação do ETH, por exemplo, está em R$ 778,07 e do LTH em R$ 301,73, bem mais acessível do que o Bitcoin.

Potencial de valorização

Com o crescimento das moedas virtuais e o desenvolvimento de novas tecnologias, a expectativa do setor é que haja uma valorização dessas outras criptomoedas. Isso significa que você poderá comprá-las por um preço menor e aguardar para vendê-las quando houver uma alta no mercado.

É claro que isso é apenas especulação, mas se analisarmos o crescimento do setor de altcoin, podemos entender porque os investidores acreditam tanto na força dessas moedas alternativas.

Opções de mineração mais acessíveis

Se você quer começar a minerar, algumas altcoins oferecem possibilidades mais acessíveis, como é o caso do Litecoin – algo importante para quem não possui uma máquina muito potente ou ainda está começando nessa área computacional. Conforme você for se especializando, poderá partir para moedas mais complicadas de serem mineradas.

Aceitação do mercado

Hoje, as altcoins são uma realidade no mercado financeiro. Muitas empresas, inclusive, já aceitam as criptomoedas como forma de pagamento. A Dell é uma delas e permite que seus clientes comprem produtos e paguem em Bitcoin ou outras altcoins.

A tendência é que esse mercado se torne cada vez maior, especialmente graças ao seu caráter descentralizador, fazendo com que os usuários não tenham de pagar as altas taxas dos bancos para transferirem valores.

Então, se você investir agora em altcoin, a expectativa é que quando esse mercado “explodir”, você tenha uma reserva maior – e mais chances de lucrar com ela.

Como investir em altcoin com segurança?

Fique atento a alguns cuidados que devem ser tomados na hora de investir em altcoins.

Apesar de todos esses pontos positivos, é fundamental ter cautela na hora de investir em altcoin. Abaixo separamos dicas importantes para garantir a segurança das suas transações. Confira.

Entenda os riscos

Antes de investir em altcoin, é importante compreender muito bem esse mercado e os seus riscos associados. Apesar de oferecerem um potencial de retorno até maior que o do Bitcoin em curto prazo, essas criptomoedas também oferecem mais riscos aos investidores, sendo um mercado bastante volátil.

Existem alguns casos de pessoas que já foram lesadas pelas chamadas “scamcoins”, que são criptomoedas projetadas apenas com o objetivo de gerarem dinheiro para seus desenvolvedores.

Por isso, é importante analisar muito bem o altcoin antes de investir, escolhendo opções mais conhecidas, seguras e com potencial dentro do mercado.

Além disso, assim como os Bitcoins, as altcoins são descentralizadas, ou seja, não estão ligadas a nenhuma instituição governamental, o que pode deixá-las mais inseguras. Da mesma forma, por serem moedas virtuais, todas as transações dependem da segurança da rede, que nem sempre pode ser confirmada.

Busque por uma plataforma parceira

Para reduzir todos esses riscos associados, é fundamental escolher uma boa exchange. A plataforma ajudará seus investidores oferecendo informações de qualidade, além de contar com protocolos extras de segurança para as transações.

Além disso, você poderá pedir auxílio a sua exchange para entender quais são as melhores altcoins, curvas de valorização e outros detalhes técnicos referentes ao mercado que te auxiliam na hora de escolher o investimento mais adequado.

Conclusão

Como você viu, altcoin é o nome dado a todas as criptomoedas alternativas ao Bitcoin. De uma maneira geral, elas possuem alguns pontos parecidos com o Bitcoin, como a descentralização, mas nem todas usam a mesma tecnologia.

Para escolher o investimento adequado, é importante entender melhor a criptomoeda, sua curva de valorização nos últimos anos, nível de tecnologia e segurança e funcionamento do mercado. Uma boa exchange continua sendo a principal dica na hora de investir com segurança, seja em altcoin ou em Bitcoin.

A BitcoinTrade é uma opção interessante para a compra e venda de altcoin. Fundada em 2017, hoje ela é considerada a mais segura plataforma de moedas digitais da América Latina, além de estar entre as líderes nacionais em volume negociado mensalmente.

Além do tradicional Bitcoin, a BitcoinTrade trabalha com as principais altcoins do mercado: Ethereum, Litecoin, Bitcoin Cash e Ripple.

Comece a investir em altcoins com segurança! 

Entre em contato com a BitcoinTrade