Afinal, o que é Bitcoin? Entenda de uma vez por todas

As criptomoedas têm ganhado cada vez mais destaque, principalmente devido a sua grande valorização nos últimos anos, de 2017 até hoje. Isso fez com que a curiosidade sobre as moedas Bitcoin (BTC) e o interesse por adquiri-las aumentasse cada vez mais entre as pessoas.

Para quem ainda não sabe, o Bitcoin nada mais é do que uma moeda digital gerida por uma tecnologia chamada blockchain, o que o torna independente do controle dos governos. Dessa forma, podemos dizer que o Bitcoin é produzido de forma descentralizada por milhares de computadores ao redor do mundo, ou seja, não é manipulado por um Banco Central.

Quer saber o que é Bitcoin? Continue acompanhando este post que preparamos exclusivamente para você e entenda a dinâmica de toda a inovação que envolve essa criptomoeda!

O que é Bitcoin e como acontecem suas transações?

Como já mencionamos, o Bitcoin é uma moeda independente do controle dos governos. Isso porque a emissão e a distribuição não são feitas por um Banco Central como acontece com as moedas que são mais tradicionais.

Por ser uma moeda totalmente eletrônica as transações são realizadas por meio da internet, mais especificamente utilizando o recurso da transferência entre carteiras digitais, que são programas instalados nos computadores das partes envolvidas.

Todo esse processo funciona da seguinte maneira: o comprador envia o dinheiro à carteira do vendedor. Então, uma terceira pessoa faz cálculos complexos e gera uma sequência numérica para validar aquela transferência.

Os usuários que usam seus computadores para fazer esses cálculos são chamados mineradores. Eles são recompensados com novas moedas, de modo que a quantidade total disponível aumente até um limite preestabelecido.

O que garante a segurança da moeda?

Por ser uma moeda digital e que opera pela internet, é natural que haja a preocupação com a segurança das transações. Por isso, já garantimos aqui que existe uma grande rede descentralizada pela qual passam todas as transferências de Bitcoin: a blockchain.

Além de ser a grande base do Bitcoin, é essa rede que garante a segurança da criptomoeda. A blockchain é composta por blocos digitais seguros que carregam uma transação financeira do BTC. O papel do minerador nessa dinâmica é gerar uma hash, ou seja, uma sequência alfanumérica que representa uma transação financeira e a torna válida.

Todas as operações ficam armazenadas na rede, mas sem que as informações das partes se tornem públicas. Além disso, elas não podem ser apagadas, muito menos alteradas. Dessa forma, há a garantia de que uma pessoa só consiga gastar determinado Bitcoin uma única vez, por exemplo.

Recompensar os mineradores quando geram a hash é uma forma de estimular essa tarefa — que consome um alto poder de processamento das máquinas e, portanto, de energia elétrica , bem como de aumentar a quantidade de moedas disponíveis.

O Bitcoin foi programado para gerar 21 milhões de unidades. No início, cada minerador recebia 50 BTC. Hoje, esse número é de 12,5 unidades. O objetivo é reduzir a velocidade com que as unidades ficam disponíveis no mercado. Afinal, uma das características que mantêm o valor de uma moeda é a sua escassez.

Como surgiu o Bitcoin?

A história do Bitcoin começou em 2008, quando foi publicado na internet um documento com o título “Bitcoin: um sistema de dinheiro eletrônico ponto-a-ponto”. Esse texto trouxe à luz os fundamentos da moeda digital e foi assinado por Satoshi Nakamotoa quem foi atribuída a invenção desse conceito posteriormente.

É iportante destacar que, embora o artigo tenha sido assinado por Nakamoto, até hoje não sabemos a real identidade do autor, se ele é de fato uma pessoa ou um grupo de pessoas. O criador demonstrou, ao longo desses anos, ser bastante discreto. Por isso, ninguém conhece a sua verdadeira identidade.

No dia 03 de janeiro de 2009, foi minerado o primeiro bloco, que rendeu um total de 50 unidades. No dia seguinte, o sistema foi lançado e, desde então, tem recebido cada vez mais atenção das pessoas, dos governos e da mídia.

Em 22 de maio de 2010, houve um marco na história da moeda: pela primeira vez o BTC foi utilizado para comprar algo tangível, ou seja, do mundo real, físico. No caso, duas pizzas pelo valor de 10.000 BTC. Já em 2014, grandes empresas como a Dell e a Microsoft passaram a aceitar o Bitcoin na compra de seus produtos ou serviços.

Ou seja, o Bitcoin ganha cada vez mais a atenção do mercado financeiro, que já entendeu que pode ter um bom custo-benefício ao se aliar a essa inovação tecnológica.

Qual foi o desempenho do Bitcoin nos últimos anos?

Recentemente, no ano de 2017, o Bitcoin apresentou um crescimento extraordinário no seu valor de mercado, superior a qualquer aplicação financeira de renda fixa ou variável. No dia primeiro de janeiro desse ano, uma unidade valia US$ 997,69. Em dezembro do mesmo ano, US$ 13.412,44.

Essa evolução representa um acréscimo de 1244,35% em apenas um ano, uma valorização inimaginável a qualquer outro investimento. Com tanta gente interessada em saber o que é Bitcoin surge a pergunta: qual é o motivo dessa valorização?

Uma das principais razões é que a sociedade passou a reconhecer o valor da solução: a facilidade com que as transações são feitas, a segurança proporcionada pela blockchain e o fato de ela não ser submissa às políticas econômicas dos governos e nem tampouco a uma organização central.

Pode não parecer, mas tudo isso é um grande avanço e despertou um entusiasmo pela criptomoeda, fazendo com que a procura por ela aumentasse e, consequentemente, trouxesse um crescimento do seu preço de mercado.

Além disso, algumas notícias colaboraram para fortalecer a credibilidade do Bitcoin. A exemplo, o anúncio de que os japoneses poderiam pagar a conta de energia elétrica com Bitcoin e que a Fidelity, uma das maiores empresas de investimentos do mundo, passaria a minerar a moeda.

Como comprar e vender Bitcoin?

Agora que você já sabe o que é Bitcoin e conhece o seu histórico de valorização, é provável que esteja se perguntando como negociá-la. O procedimento é bastante simples.

O primeiro passo é abrir uma conta em uma corretora de Bitcoin de confiança, afinal, é por meio dela que seus reais serão convertidos em moeda digital.

Depois de ter o cadastro confirmado, é preciso fazer um depósito na sua conta junto à corretora. Quando o dinheiro estiver disponível, basta buscar a opção de comprar Bitcoin e escolher a quantidade que pretende adquirir.

Pronto! Assim que a transação for validada você terá a quantidade certa na sua carteira.

Se decidir que está na hora de vender a moeda, o procedimento é praticamente o mesmo. Em vez de fazer uma ordem de compra, faça uma de venda e o dinheiro ficará disponível em reais na sua conta na corretora.

Como começar investir em Bitcoins?

Para facilitar o processo, apresentaremos a seguir algumas dicas para quem quer começar a investir em BTC. Confira quais são elas!

Entenda o mercado

Antes de mais nada, a nossa sugestão é que você dê o primeiro passo com calma. Comece a caminhar lentamente nesse mundo, estudando o mercado e procurando compreender como é o seu funcionamento.

Conforme mencionamos acima, o Bitcoin envolve muita inovação e tecnologia. Por isso, muitas vezes não é fácil de entender. Além disso, por mais que haja uma certa semelhança com o mercado financeiro tradicional, há algumas peculiaridades que são relevantes para que os seus processos funcionem da melhor maneira possível.

Portanto, estudar e entender o mercado é essencial para começar essa jornada com o pé direito!

Comece aos poucos

Outra dica importante é que você comece aos poucos. Afinal, este é um mercado desconhecido para você até então. Assim como falamos na dica anterior, não tenha pressa e comece devagar.

O ideal é começar com investimentos menores para aprender e, conforme for ficando mais confiante, poderá investir um valor maior a cada dia. Agindo dessa maneira, você aumentará as chances de se dar bem no investimento em Bitcoin.

Saiba que, por mais que o risco desse investimento seja alto, dar passos menores é uma forma de reduzir as chances de ter uma experiência negativa, além de ganhar mais confiança em cada ação futura.

Não aposte somente nos momentos de alta

Uma dica valiosa é não apostar somente quando a moeda está em alta. Sabemos que é natural que o interesse aumente muito neste momento. No entanto, quando a moeda está em alta a concorrência aumenta e o valor da oferta também.

Então, para ter um bom custo-benefício, é preciso entender que os momentos de baixa também são uma ótima oportunidade para ter ganhos relevantes a longo prazo. Esse tipo de pensamento é uma das questões que separa os bons investidores dos que ainda são amadores.

Procure por uma boa corretora de Bitcoins

Por fim, a nossa última dica é que você procure por uma boa corretora de Bitcoins. Afinal, são elas que fazem toda a interface do investidor com o mercado. Nesse momento, é preciso contar com uma empresa que seja parceira, que tenha uma boa reputação e ofereça um bom suporte ao cliente.

Bitcointrade é um grande exemplo disso, oferecendo um dos melhores serviços de atendimento ao cliente do Brasil, além da sua boa reputação no mercado.

Embora somente nos últimos anos a maioria das pessoas tenha descoberto o que é Bitcoin, a criptomoeda não é uma novidade: ela foi concebida há cerca de 10 anos e, durante todo esse tempo, tem se consolidado como uma alternativa livre e independente para comprar e vender produtos e serviços e também fazer investimento.

Quer saber como é possível entrar com o pé direito no mundo dos Bitcoins? Entre em contato conosco!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.