4 principais problemas do Bitcoin e como eles vêm sendo superados

É muito comum ouvirmos falar sobre os problemas do Bitcoin, não é mesmo? O fato é que há muita divergência de opinião entre o mercado financeiro e os adeptos da moeda virtual. Por isso, é preciso tomar cuidado para não cair na conversa de alguns argumentos falsos ou que não tenham embasamento algum.

Por ser um ativo muito novo, é normal o surgimento de algumas dúvidas, desconfiança e até uma sensação de ser uma grande ameaça pelas instituições que já são tradicionais no mercado financeiro, tal como os próprios governos e os bancos.

 Por outro lado, já há um movimento de algumas dessas instituições que visam se unir ao mundo das criptomoedas. Além disso, elas já notaram que não tem como ser contra algo com potencial para encabeçar uma verdadeira revolução digital nesse mercado.

Podemos citar a adesão de governos asiáticos, o Japão e a Coréia do Sul principalmente, que criaram medidas que incentivam o uso das moedas virtuais. Já o Banco Central brasileiro não demonstrou nenhum sinal de apoio até o momento.

Nós acreditamos muito no mercado de Bitcoins e das moedas virtuais em si, mas sabemos que ele não é perfeito. Então, para que você possa entender melhor quais são os seus defeitos e pontos que precisam melhorar, preparamos este conteúdo que visa explicar, de fato, quais são os principais problemas do Bitcoin, bem como as dificuldades que estão sendo superadas. Acompanhe!

1. Falta de segurança

Não precisamos dizer o quanto o Bitcoin se tornou popular, principalmente no último ano, em que obteve uma alta relevante no mês de dezembro, atraindo muitos investidores para o seu mercado.

Podemos dizer que, por mais que tenha sido algo positivo, esse crescimento causou muitos transtornos para as plataformas corretoras de Bitcoin. Isso porque elas tiveram a sua operação afetada devido ao grande número de entrada de novos investidores, sendo que não foi possível se preparar para lidar com esse alto volume.

O grande problema, no entanto, aconteceu no crescimento de algumas ações que trouxeram uma certa falta de segurança para esse mercado: muitos sites suspeitos começaram a utilizar a popularidade do Bitcoin para aplicar golpes em pessoas. Ou seja, os sites começaram a comercializar moedas virtuais de forma criminosa, vendendo ativos falsos — alguns começaram até a aplicar o famoso golpe da pirâmide.

A questão é que por mais que as corretoras sérias e o mercado de Bitcoin em si não tenham participação nesses atos criminosos, esse fato acabou manchando a reputação das criptomoedas, visto que muitos utilizaram a marca do Bitcoin para cometer esses atos ilícitos.

Para que não haja margem para que isso possa acontecer novamente, vimos um movimento crescente das corretoras no trabalho para reforçar a sua operação, bem como focar agressivamente na parte de conscientização do mercado, orientando que as pessoas se certifiquem que as corretoras e plataformas existam, bem como busquem referências que confirmem essa questão.

2. Pouca receptividade do mercado

A realidade de não ser aceito como forma de pagamento pela maioria dos estabelecimentos também pode ser listada como um dos problemas do Bitcoin. Afinal, nesse quesito, fica muito difícil a moeda virtual competir com qualquer outra que seja física e que exista nos dias de hoje.

Consideramos isso como um problema, pois, muitas vezes, fica difícil para o investidor ter confiança em apostar suas fichas em algo que não é palpável e, por enquanto, não é aceito como forma de pagamento no seu dia a dia.

A boa notícia é que já há muitas iniciativas, tanto pública quanto privada, no que diz respeito à aceitação do Bitcoin e de outras moedas virtuais como forma de pagamento. Podemos tomar como exemplo a Amazon, que já aceita algumas criptomoedas em alguns de seus estabelecimentos.

Além disso, governos e Bancos Centrais do mundo todo já estão tomando a iniciativa de se aproximar das criptomoedas, principalmente pelo que está por trás delas — a tecnologia do Blockchain, que já demonstrou ter potencial para resolver muitos problemas relacionados à segurança da informação e burocracia no mundo.

3. Possibilidade da demora nas transações

Outro fato que aconteceu recentemente e que prejudicou a imagem do Bitcoin é a demora na realização das transações de compra e venda, principalmente no período que corresponde ao fim de 2017, em que a alta da moeda estimulou a entrada de novos investidores, conforme comentamos.

Nesse cenário, as plataformas de exchange ficaram altamente sobrecarregadas, visto que não era esperado uma adesão tão alta a ponto de comprometer a sua operação. Como é algo relativamente novo, é normal que alguns processos ainda não estejam automatizados, ou seja, ainda necessitam da validação humana.

Por esse motivo, podemos dizer que um ponto negativo é essa possibilidade de demora em excesso ao realizar uma transação (compra ou venda de Bitcoins). Apesar disso, é possível garantir que a maioria das corretoras já estão implementando melhorias tanto em questões de equipe quanto de tecnologia para atender a esse crescente do mercado que não deve parar tão cedo.

Então, podemos ficar tranquilos, pois, tudo indica que é apenas questão de tempo para que tudo se torne automatizado.

4. Alta volatilidade da moeda

Por fim, trazemos uma característica marcante do Bitcoin: a volatilidade. Muitas análises ainda consideram esse ativo como um dos mais voláteis que existem. Para quem não sabe, volátil é tudo aquilo que apresenta um alto grau de instabilidade — o dólar, por muitas vezes, é tido dessa maneira também.

No caso do Bitcoin, ao longo de sua história, a volatilidade sempre esteve presente. Afinal, foram muitos períodos de alta, seguidos de uma nova baixa, que depois imprimiu-se uma nova alta e assim por diante ao longo desses quase 20 anos de existência. Isso ainda é considerado um problema, deixando o mercado com um pé atrás. Seria muito melhor se a moeda fosse algo mais sólido, já que traria muito mais segurança, não é mesmo? Porém, isso vem mudando!

A boa notícia é que a cada vez que a moeda passa por um movimento de baixa, ela sempre acaba voltando mais forte, consolidando-se ainda mais e espantando a ideia de que é apenas mais uma bolha.

Entenda que, por trás do Bitcoin, existe algo forte: o Blockchain, que é a sua tecnologia de funcionamento, considerada a promessa de solução para os problemas de segurança digital no mundo, ou seja, dificilmente algo assim será derrubado facilmente.

Agora que você já entendeu como alguns dos problemas do Bitcoin estão sendo contornados, procure estudar um pouco mais sobre o tema para ganhar mais segurança em investir nessa criptomoeda. Quer ficar por dentro das nossas novidades? Então, assine a nossa newsletter!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.