Após uma alta de 20% nas primeiras semanas do mês, o mercado de criptomoedas deu uma guinada para baixo, entregando todo ganho acumulado. Passado o carnaval, fechamos o mês com queda de 2% no Bitcoin. O aceno dos Bancos Centrais à práticas expansionistas após impacto do Coronavírus nas economias trouxe quedas não só para o Bitcoin. Até mesmo o ouro, considerado ativo de segurança, teve um dia de queda recorde no final do mês.

Pânico nos mercados tradicionais

O avanço do Coronavírus fora da China fez com que mercados tradicionais devolvessem o ganho de 4 meses, após empresas importantes, incluindo a gigante Apple reduzir estimativas de vendas. A queda na produção industrial do Japão e estagnação da economia Alemã foram os primeiros sinais de fraqueza nas economias.

Abaixo, um retrato do último dia útil do mês, deixa claro o cenário: A esmagadora maioria das empresas que compõe o S&P 500 – maiores companhias norte-americanas – apresentava forte queda.

Para as Altcoins, o início do mês foi marcado por um forte rally, derrubando a dominância do Bitcoin para o menor nível em quase 8 meses. O movimento foi parcialmente revertido após a queda nas 2 últimas semanas de fevereiro.

Na tabela abaixo, o resultado das principais Criptomoedas, Ativos e Bolsas pelo mundo.

*Em breve na Bitcointrade

Notícias do mundo cripto:

DeFi – O valor dos ETHs aportados nas aplicações de finanças descentralizadas atingiu a incrível marca de USD 1 bilhão. Lideram as plataformas Maker, por trás da stablecoin DAI, além do Compound, focado em empréstimos cripto.

Hacks – Exchange Coinhako de Singapura proibiu saques temporariamente, alegando que um “sofisticado ataque” hacker estava tentando drenar as contas de alguns usuários.

Coinbase – Exchange passou a permitir envios de criptos através de apelidos dos usuários, além do endereço tradicional formado por letras e números aleatórios.

Libra Facebook – Gigante de varejo eletrônico Shopify entrou para a associação, embora o projeto siga sem data determinada para início.

Bitcoin (BTC) – Intermediação de Bitcoin representou mais de 50% da receita do Cash App da Square, gateway de pagamentos do Jack Dorsey do Twitter.

Bitcoin (BTC) – Gestora Amun, atual 21Shares, lançou na bolsa da alemanha um ETP (espécie de ETF) que aposta na queda do Bitcoin. Este tipo de dispositivo é regulado e já existe para outros mercados como petróleo e até mesmo índice de ações S&P500.

Ethereum (ETH) – Atacantes se aproveitaram de falhas das plataformas descentralizadas dYdX e Fulcrum para realizar prejuízos em operações, totalizando valores próximos de USD 1 milhão. Devs dizem que ajustes para evitar novos problemas já foram feitos.

Ethereum (ETH) – Conversas iniciais entre a Quorum, rede blockchain privada do JP Morgan, e ConsenSys de Joe Lubin, trouxeram novo ânimo à moeda. Embora uma entidade privada, a ConsenSys é considerada o principal hub de desenvolvimento do ecossistema Ethereum.

Bitcoin Cash (BCH) – Discussão entre os 2 maiores grupos de devs sobre uma eventual taxação aos mineradores, visando custear melhorias no projeto. Roger Ver, que inicialmente apoiou a idéia, voltou atrás e agora critica a proposta de 5% da equipe Bitcoin ABC.

Litecoin (LTC) – Fundação Litecoin anunciou parceria com a startup Cred para oferecer 10% de juros para depósitos fixos de 6 meses em LTC.

Ripple (XRP) – Deu mais USD 11 milhões para a empresa MoneyGram visando incentivar o uso de seus produtos nas remessas internacionais. A empresa Ripple já havia investido mais de USD 50 milhões na parceira.

EOS (EOS) – Serviço Genpool passou a oferecer premiação para usuários que votarem em sua produtora de blocos, GenerEOS. Plataformas semelhantes existem na Ásia. Os produtores de bloco agem como mineradores, recebendo uma premiação pelo serviço.

EOS (EOS) – Votação reduziu a inflação de 5% para 1%. Na prática não muda muita coisa, pois a maior parte dessas novas moedas geradas estava sendo acumulada na conta eosio.saving, que nunca fora utilizada.

Além das Criptomoedas

Quem se deu bem:

Sprint (S) disparou 106% após aprovação da fusão com T-Mobile, que estava pendente de análise desde 2018. O negócio que uniu as gigantes de telefonia envolveu USD 26 bilhões em troca de ações.

Slack (WORK) subiu 30% com IBM assinando contrato de utilização de seu software.

Duratex (DTEX3) subiu 10% surpreendendo investidores com um lucro de R$ 285 milhões nos 3 últimos meses de 2019.

Quem se deu mal:

CVC Viagens (CVCB3): cedeu 30%, enquanto Azul Linhas Aéreas (AZUL4) caiu 25% por conta da redução nas viagens internacionais causadas pelo avanço do vírus

SER Educacional (SEER3) cedeu 16% com receio sobre a integração da adquirida Uninorte, além de baixo crescimento no ensino à distância.

Wayfair (W) caiu 32% após anunciar demissão de 500 funcionários e reduzir estimativa de vendas. A varejista digital nunca entregou lucros em sua história.

IOTA fica sem transações por mais de 20 dias

A carteira de armazenamento, ou wallet, da criptomoeda IOTA, sofreu um ataque no final de janeiro, causando prejuízos de USD 1,6 milhão. A decisão dos desenvolvedores foi desligar o coordenador, figura centralizadora necessária para validar as transações, interrompendo assim o funcionamento da rede.

Será necessário que os usuários gerem uma nova chave privada, seed, movendo as moedas dos endereços anteriores. Afirmam que num segundo momento existirá algum tipo de votação para decidir se as transações indevidas serão revertidas.

O mais curioso é que será exigido identificação (KYC) para os usuários que tiveram tokens roubados. A carteira afetada foi a Trinity na versão desktop.

Banco Central anuncia sistema de pagamentos instantâneo

O Banco Central do Brasil informou que pretende colocar no ar dentro de 6 meses uma plataforma que permitirá envios e recebimento de valores 24hs por dia, 7 dias por semana.

O sistema PIX contará com códigos QR e permitirá a integração de FinTechs, as startups financeiras, ao Sistema Financeiro Nacional. O próprio Banco Central atuará como intermediador, num sistema 100% centralizado.

Embora atrasado e talvez com tecnologia não tão avançada, trata-se de uma sinalização de busca por inclusão nos meios de pagamento eletrônicos. A leitura para o mercado de criptomoedas, por enquanto, deve ser positiva.


E aí, gostaram do nosso resumo? Se tiverem dúvidas ou sugestões de temas a serem abordados no mês que vem, comentem aqui embaixo! A opinião de vocês é super importante para nós.